Por que a UDV decidiu implantar o sistema de agrofloresta?

Mauro Carneiro Filho*

| 17 abril, 2019

Instrutor orienta implantação de unidade demonstrativa de SAF | Foto: Tendy Saar.

Há alguns anos, o Departamento de Plantio e Meio Ambiente (DPMA) do Centro Espírita Beneficente União do Vegetal percebeu que a forma de cultivo das nossas plantas sagradas necessitava de uma melhor qualidade e maior aproximação com o sistema originário delas na natureza: o sistema florestal.

Alguns sócios da UDV, ligados ao trabalho do plantio, começaram a estudar o sistema de agrofloresta (SAF), que associa a produção agrícola com o plantio de espécies florestais. Este sistema reproduz a forma como a natureza age na floresta, com o solo sempre coberto por vegetação, e as plantas auxiliando umas às outras, evitando-se assim a ocorrência de “pragas” ou “doenças”, que muitas vezes ocorrem nos sistemas de monocultura.

Nos locais onde este sistema é implantado, aumenta-se a biodiversidade, proporcionando-se uma maior quantidade e qualidade de vida, trazida pela dinâmica da ciclagem da matéria orgânica. Isso propicia mais nutrição e vida no solo e, em consequência, mais saúde e vitalidade às plantas, e a todo o sistema biológico.

Algumas experiências exitosas de implantação deste sistema no cultivo de Mariri e Chacrona fizeram então o DPMA decidir pela sua utilização no trabalho do plantio dentro da União do Vegetal. Chegou-se à conclusão de que o SAF é o melhor e o mais viável modelo, pois permite o desenvolvimento do Mariri, da Chacrona e também de espécies lenheiras em um ambiente que reproduz o ecossistema original das nossas plantas sagradas.

Segurança alimentar e preservação

O sistema traz também como vantagem a produção de espécies agrícolas: plantas medicinais, madeiras de lei, hortaliças, flores, frutíferas e tudo mais que quisermos produzir em nossos plantios, sendo quase infinitas as possibilidades de consórcios de cultivo.

Na agrofloresta, a produção agrícola é toda orgânica, livre do uso de agroquímicos e venenos. Nos tempos atuais, em que a agroindústria investe cada vez mais num modelo de produção que já se mostrou prejudicial ao ecossistema, é de fundamental importância ampliarmos conhecimentos que promovam a segurança alimentar aliada à preservação da natureza.

Outra grande vantagem gerada pela dinâmica de plantio em sistemas agroflorestais é proporcionar aos sócios, nos Núcleos da União do Vegetal, maior aproximação de valores que são característicos da nossa religião, como, por exemplo, a ligação com o meio ambiente.

O manejo nos sistemas de agrofloresta facilita o desenvolvimento da observação dos processos naturais. Percebe-se como funcionam os movimentos de sucessão e estratificação das plantas, a transformação do solo, a regulação do microclima, e tudo isso faz despertar maior consciência do sagrado que existe na natureza.

O projeto de implantação do SAF

Em 2015, quando Mestre Clovis Cavalieri chegou ao lugar de Mestre Geral Representante da UDV, o Departamento de Plantio e Meio Ambiente passou por uma reestruturação geral. Foi elaborado um Regimento Interno e definiram-se 11 princípios norteadores do trabalho do DPMA. Um desses princípios é justamente manter a prática do sistema de agrofloresta, considerando-se a diversidade de espécies.

Com a chegada do Mestre Paulo Afonso ao lugar de Mestre Geral Representante, em 6 de janeiro de 2018, ele solicitou ao DPMA que elaborasse um projeto de implantação do sistema de agrofloresta nos plantios da UDV. O projeto foi elaborado a muitas mãos e, em setembro de 2018, foi aprovado pelo Comitê Gestor da Diretoria Geral e pelo Conselho de Administração Geral (Conage).

Graças aos recursos oriundos da Faixa Adicional (fundo constituído por contribuições voluntárias dos sócios), a primeira fase do projeto (2019-2020) começou a ser implantada. Vamos percorrer os locais de plantio da União do Vegetal, e implantar 17 unidades demonstrativas de sistemas agroflorestais, proporcionando o aprendizado necessário às equipes de plantio, e deixando modelos que serão replicados nos Núcleos em cada Região.

Ao todo, o projeto conta com uma equipe de 4 coordenadores e 14 instrutores. O tempo previsto para execução do projeto é de dez anos. A meta é que, em um futuro breve, tenhamos, em todos os Núcleos da União do Vegetal, unidades de sistemas de agrofloresta que, além de proporcionar mais saúde e desenvolvimento às nossas plantas sagradas, possam produzir alimentos e recursos naturais que contribuam com a preservação do meio ambiente.

REGIÕES ONDE A UNIDADE DEMONSTRATIVA JÁ FOI IMPLANTADA:

6ª Região (Rondônia) – Núcleo Mestre Ramos (Ariquemes-RO)
1ª Região (Rondônia) – Sítio Recanto dos Passarinhos, Núcleo Mestre Gabriel (Porto Velho-RO)
11ª Região (Ceará) – Núcleo Tucunacá (Caucaia-CE)
4ª Região (Bahia e Sergipe) – Núcleo Encanto das Águas (Ilhéus-BA)
3ª Região (São Paulo) – Núcleo Rei Davi (Mogi das Cruzes-SP)

EQUIPE DO PROJETO AGROFLORESTA NOS PLANTIOS DA UDV

Coordenador Geral: Mauro Carneiro Filho

Coordenador Técnico: Marcio Silveira Armando

Coordenadora Administrativa: Maria Alice Corrêa

Coordenador de Projetos de Agrofloresta da Novo Encanto: Maurício Hoffman

Instrutores: 14 professores

*Mauro Carneiro Filho é Mestre Representante do Núcleo Flor Divina (Fortaleza-CE), Diretor Adjunto do Departamento de Plantio e Meio Ambiente e Coordenador Geral do Projeto Agrofloresta nos Plantios da UDV.

3 respostas
  1. Nanete Pinho Rocha
    Nanete Pinho Rocha says:

    Esta obra Sagrada nos conectar com o Sagrado em nós que é a Natureza Divina que está tb fora de nós!! E esta Sagrada União vai cumprindo o seu papel, nos trazendo a luz, a paz e o Amor; assim se fará a paz na Terra.

    Responder
  2. Jalsey Nazareno
    Jalsey Nazareno says:

    É um tanto gratificante fazer parte de uma Religião que tem a Natureza como referência para a evolução e o desenvolvimento do ser vivo. Tive a satisfação de estar presente na implantação da Unidade Demonstrativa da 11 Região no Núcleo Tucunacá coordenado pelo M. Mauro e com o instrutor Antonio Gomide, um momento bem especial onde pudemos aprender sobre o sistema agroflorestal, que vem auxiliar nossas plantas sagradas a se desenvolver mais ainda aqui em nossa região semiárida. Sou Feliz em fazer parte desta Religião tão bem dirigida por nossa Diretoria e Administração Geral.

    Responder
  3. Dermeval de Sena Aires Júnior
    Dermeval de Sena Aires Júnior says:

    Que bom vermos essa realidade das Agroflorestas florescendo na UDV. Que possam prosperar com o trabalho de todos, atendendo às necessidades de Vegetal e contribuindo a um mundo mais saudável.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *