Os efeitos benéficos do Chá Hoasca no cérebro e em pessoas com depressão

| 11 julho, 2019

Pesquisa apresentada em Girona fala dos benefícios do Chá Hoasca no tratamento contra depressão | Foto: Jocimar Nastari.

Na III Conferência Internacional da Ayahuasca, realizada no início de junho passado em Girona (Espanha), Francisco Cid Coelho Pinto* integrou um painel sobre Saúde Mental e Física, em que apresentou um resumo de seu trabalho de mestrado, que consiste na avaliação sobre os efeitos do Chá Hoasca na depressão. Nesse mesmo painel, outros pesquisadores apresentaram resumos de trabalhos que também indicam, preliminarmente, os efeitos positivos do uso do Chá Hoasca em pacientes com depressão e estresse pós-traumático. A seguir, Francisco Cid escreveu para o Blog da UDV um resumo do que apresentou naquela conferência.

Há indícios fortes de que o Chá Hoasca (também conhecido como Ayahuasca) tem apresentado benefícios na saúde mental, especificamente na melhora de quadros depressivos avaliados em estudos pré-clínicos, clínicos e na vivência social. Por meio de uma ampla pesquisa bibliográfica, aponto os elementos constituintes do chá, o local onde os constituintes realizam suas ações e como esses efeitos agem melhorando o quadro depressivo.

O DMT (dimetiltriptamina) é uma molécula que produzimos de forma endógena (no interior de nosso corpo), principalmente quando dormimos, em sub-regiões cerebrais como na glândula pineal. O DMT também está presente nas folhas da Chacrona (Psychotria viridis), uma das plantas utilizadas no preparo do Chá Hoasca (a outra planta é o cipó Mariri – Banisteriopsis caapi). Quimicamente o DMT possui afinidade pelos receptores chaperone Sig-1R e serotoninérgico 5-HT2a, onde acredita-se que, por meio de ligações moleculares, leva aos efeitos de mirações e visões. O receptor Sig-1R realiza também a formação de novas células neuronais, o crescimento de sinapses (transmissão do impulso nervoso de um neurônio a outro), além de aumentar a velocidade de condução dessas conexões e modular inflamações neuronais.

Porém o DMT, quando ingerido por via oral, antes de alcançar as células neuronais é degradado por uma enzima que o inativa. Na composição do Chá Hoasca, há uma sinergia entre substâncias, que possibilitam a ação do DMT. Essa sinergia é possível em decorrência da presença das substâncias do Mariri, que inibem a degradação do DMT, sendo elas: ß-carbolinas, harmina, harmalina e tetrahidroharmina. Podemos observar a importância da união dessas plantas. As ß-carbolinas, além de permitir que o DMT exerça suas funções nos neurônios, aumentam de forma direta neurotransmissores responsáveis pela alegria e pelo bem-estar, demonstrando propriedades psicoativas e atuando como estimulantes no sistema nervoso central, em neurogênese (formação de células nervosas), migração neuronal, proliferação de células-tronco e plasticidade neuronal.

Consequentemente esses efeitos auxiliam na reversão de quadros depressivos, pois a depressão atualmente pode ser vista como uma inflamação neuronal crônica que ocasiona uma diminuição de novas conexões sinápticas (sinapses), levando a sintomas de apatia, tristeza, perda de prazer e memória. Foram observadas, em alguns estudos, a reversão da depressão utilizando o Chá Hoasca em humanos e a diminuição dos sintomas de depressão símile (animais com comportamento depressivo) em roedores e primatas, e a harmina administrada de forma isolada reverteu a depressão símile (animais com comportamento depressivo) em roedores.

Podemos concluir que o Chá Hoasca é inofensivo à saúde, tendo benefícios para o cérebro e melhora na saúde mental das pessoas que bebem o Vegetal, bem como evidencia a importância da união das duas plantas na melhora de pessoas com depressão.

As informações deste trabalho retirei de artigos publicados. Podemos ter acesso a esses e outros artigos por meio do site UDV Ciência, onde tive a oportunidade de traduzir e organizar alguns resumos relacionados à farmacologia do Chá Hoasca.

“DMT: A Molécula do Espírito”

No próximo dia 18 de julho, a Editora Pedra Nova lançará o livro DMT: A Molécula do Espírito, de Rick Strassman. O livro relata estudo científico conduzido pelo Dr. Strassman que aponta o potencial clínico e de expansão da consciência proporcionado pelo uso do DMT presente em plantas, nos seres humanos e potencializado pelo Chá Hoasca. O livro pode ser adquirido neste link.

*Francisco Cid Coelho Pinto é membro do Corpo Instrutivo do Núcleo Fortaleza (Fortaleza-CE), é aluno do Programa de Pós-Graduação em Farmacologia da Universidade Federal do Ceará, orientado pelo Prof. Dr. David de Lucena, e também estava presente na III Conferência Internacional da Ayahuasca.

2 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *