Mestre Ramos, um dos pioneiros da UDV

Thiago Beraldo*

E/D: Mestres Manoel Nogueira, Roberto Souto, Pequenina, Nielson Menão, Bartolomeu, Ramos e Luis Cardoso (abaixado) | DMC/Núcleo Rei Inca.

Antônio Domingos Ramos foi um dos primeiros irmãos da União do Vegetal. Natural da Paraíba, nasceu em cinco de setembro de 1910 e se dirigiu na década de 1950 ao então Território de Rondônia em busca de melhores condições de vida. Pelos terreiros de umbanda da capital Porto Velho conhece José Gabriel da Costa e se tornam irmãos de fé. Quando Mestre Gabriel volta dos seringais em 1965 trazendo a União do Vegetal para Porto Velho, Ramos foi uma das primeiras pessoas convidadas a participar das sessões da UDV, que ainda ocorriam nos fundos da sede do Ciclo Esotérico da Comunhão do Pensamento. Logo passou a ser um discípulo, participando ativamente da nova sociedade criada por Mestre Gabriel.

Em outubro de 1966, tornou-se um dos 8 primeiros discípulos a receber o título de mestre da UDV, em Porto Velho. O requisito para os três primeiros aprovados (Santos, Modesto e Manoel Nogueira) foi que abrissem e fechassem a sessão de Vegetal e soubessem fazer chamada de socorro. Do quarto em diante (Hilton Pereira Pinho, Florêncio Siqueira de Carvalho (Cruzeiro), Raimundo Carneiro Braga, José Luiz de Oliveira e Antônio Domingos Ramos), precisaram também contar a História da Hoasca. No concurso, Ramos recebeu o título de Mestre pela Responsabilidade, uma qualidade que demonstrou durante sua caminhada na UDV.

Mestre e Conselheiro

Mestre Ramos foi o terceiro conselheiro da UDV e o primeiro Mestre a receber a faixa de assistente depois que o Mestre Gabriel voltou de Fortaleza (CE), em 1971. Também foi o primeiro Mestre da Origem a desencarnar em 19 de dezembro de 1978, ficando pouco registro de sua vida e trabalho. Em 26 de junho de 1980, foi inaugurado o Núcleo Mestre Ramos (Ariquemes-RO), uma homenagem justa a um dos pioneiros da UDV.

Clique aqui e leia a matéria publicada no blog da UDV em homenagem aos 36 anos do Núcleo Mestre Ramos.

Quando chegou na União do Vegetal, Mestre Ramos trabalhava como comerciante no Mercado Central de Porto Velho. O mercado tinha 44 boxes distribuídos numa área de 1405 m² de construção e era o maior centro de compras da cidade na época. Um dia em 1966, o mercado é destruído por um misterioso incêndio. Graças à intuição de um amigo, Mestre Ramos havia retirado sua mercadoria no dia anterior ao desastre. As mercadorias retiradas rendem-lhe recursos suficientes para comprar um sítio e umas cabeças de gado e iniciar novamente a vida.

Primeiro preparo

Tamanha era a falta de recursos e dificuldades enfrentadas na época em Porto Velho que lhe consideravam um dos “milionários” da cidade. Entretanto, daquilo que dispunha, sempre usou para auxiliar no trabalho da UDV. Entre outras coisas, Mestre Ramos, por iniciativa própria, financiou a primeira mensagem de Mariri e o primeiro preparo na capital do território. Posteriormente, doou todo o madeiramento para a construção do telhado da antiga Sede Geral (hoje Núcleo Mestre Gabriel, a Sede Histórica). Tinha também, grande apreço pelo Mestre Gabriel, o qual demonstrava em pequenos atos. Algumas vezes pedia emprestado o caminhão do Mestre Gabriel para realizar alguma atividade, mas devolvia com o tanque cheio.

Poesia

Mestre Ramos via a vida de uma maneira diferente, poética. O sítio em que morava, ele considerava seu jardim. Para ir e voltar do jardim, ele e a família usavam a “jardineira”, uma caminhonete Rural Willys, um dos poucos veículos da cidade na época. Casou-se pela segunda vez com Dulce Mota Ramos, mas a via como uma flor e dizia ser sua Rosa (nome que ficou conhecida por todos). Juntos tiveram 5 filhas, as quais chamava de seus passarinhos. Por outro lado, os passarinhos do seu jardim, chamava de seus filhinhos.

Os irmãos da UDV, independentes se fossem adultos ou crianças, recebiam títulos como príncipes e princesas, profetas, marquesas e duquesas. Quando encontrava alguém da União do Vegetal dizia:

– Como vai, príncipe?

– E o Reinado como está? Prosperando?

– E passarinhos, como vão?

Documentário 

No momento, o Departamento de Memória e Comunicação (DMC) da Diretoria Geral do Centro Espírita Beneficente União do Vegetal está produzindo um documentário para resgatar a história do Mestre Ramos junto ao Mestre Gabriel, aos primeiros irmãos e sua bonita família em uma Porto Velho bem diferente da que conhecemos hoje em dia. O documentário será também um reconhecimento e agradecimento a sua responsabilidade junto à UDV. Mestre Ramos auxiliou a plantar, regar e adubar nossa sociedade hoasqueira nos seus primeiros dias, para hoje estarmos admirando e desfrutando desse belo jardim.

*Integrante do Quadro de Mestres do Núcleo Jardim Florescendo (Flórida – EUA).

10 respostas
  1. Jean Carlos Freire Lima
    Jean Carlos Freire Lima says:

    Meus parabéns à equipe do Blog da UDV por trazer histórias e memórias tão significativas para nós. Essa de hoje é um exemplo disso. Trazendo mais detalhes de um dos Mestres da Origem e de quem, no meu caso, sabia tão pouco ou quase nada a seu respeito. É bonito ver o zelo e empenho em preservar a história da UDV e de seus primeiros membros por parte do Departamento de Memória e Comunicação (DMC) da Diretoria Geral. Isso, com toda a certeza, nos inspira a fazer o mesmo – preservar a história dos Núcleo, fundadores e primeiros irmãos nos Núcleos onde somos filiados.
    Grato aos amigos e amigas empenhados(as) nesse valioso trabalho!

    Jean Carlos Freire Lima

    Responder
  2. Firmo Rodrigues
    Firmo Rodrigues says:

    Muito bom conhecer a história de Mestres do Conselho da Recordação dos Ensinos do Mestre Gabriel e compreender um pouco mais sobre o início da UDV. Mestre Ramos era um desses Mestres que faltava para conhecer e que me dá um grande prazer e alegria em satisfazer este meu desejo. Parabéns a todos!

    Firmo Rodrigues

    Responder
  3. Tatiana Moura
    Tatiana Moura says:

    Gostei de ler algo mais sobre o Mestre Ramos, principalmente a dedicação e responsabilidade aos trabalhos da UDV, se, no entanto, perder sua essencia poética, virtude tão importante no bom relacionamento entre nós, discipulos do Grande Poeta, Mestre Gabriel.

    Responder
  4. Gabriela
    Gabriela says:

    Grata à equipe do DMD pela bela oportunidade de saber mais da história e início da nossa Sagrada UDV. Lindo texto, boas memórias que se avivam em nós.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *