A União do Vegetal na terra dos Yudjás

Carlos Teodoro Irigaray*

| 20 agosto, 2019

Para Yudjás, a comunhão com o Chá Hoasca é um reencontro com a própria cultura | Reprodução.

O pensamento de levar o Chá Hoasca aos povos indígenas esteve presente já no início das atividades do Centro Espírita Beneficente União do Vegetal (UDV), a partir do pedido feito pelo Mestre Geraldo Carvalho ao Mestre Gabriel. Mas, para isso, Mestre Gabriel afirmou que era preciso cativar as autoridades. Decorridos 58 anos desde sua criação, a UDV conta com mais de 20 mil associados e se faz presente em 11 países, tendo recebido ao longo desses anos indígenas de diversas etnias, como bakairis, bororos, tupinambás, entre outros.

Contudo, o trabalho no Parque Indígena do Xingu somente se iniciou quando o dentista Eduardo Matos Biral, servidor da Funai, chegou ao Quadro de Mestres da UDV. Em 2010, através de um pedido dos Yudjás, (“Donos do Rio”), como se autodenominam pela sua tradição canoeira, uma nova fase se descortina para esse povo que os irmãos Vilas Boas afirmavam ser amigos fiéis.”

Após beberem o Vegetal (denominação que os filiados da UDV também usam para o Chá Hoasca) pela primeira vez, os yudjás ficaram sabendo da existência da União do Vegetal, que possui um Núcleo próximo do Xingu, na cidade de Alta Floresta-MT (Núcleo Florestal), para onde se dirigiram buscando o apoio para restaurarem o uso da Hoasca, que, segundo eles, seus ancestrais afirmavam que precisam reencontrar.

Sensibilizado com as necessidades desse povo indígena, o Departamento Médico-Científico da União do Vegetal e a Associação Beneficente Casa da União, unidade assistencial da UDV, realizaram algumas expedições com profissionais da saúde para atendimento aos yudjás no Parque do Xingu. Em 2016 o médico Duarte Guerra, Mestre da UDV, foi designado Médico Supervisor do Programa Mais Médicos no Xingu e designado também, pela Direção da UDV, como coordenador das atividades de apoio aos hoasqueiros xinguanos.

Projeto Pegadas

Em outubro de 2016, uma expedição integrando os diversos Departamentos da União do Vegetal e a Associação Ecológica Novo Encanto levou aos jovens indígenas o Projeto Pegadas (The Tracking Project), coordenado por John Stolkes, um trabalho visando à valorização da cultura e da identidade yudjás, entre os jovens, por meio do reconhecimento de sua origem, tradição e valores.

Em junho de 2018, o Mestre Geral Representante da UDV, Paulo Afonso Amato Condé, participou de uma expedição ao Xingu realizando, a convite dos yudjás, um Preparo de Vegetal na Aldeia Aribaru, onde reafirmou o propósito de “seguir apoiando este povo que também consideramos amigos fiéis, sem contudo lhes impor nossos costumes, deixando-os com liberdade para utilizarem o Chá Hoasca, como um sacramento, segundo sua cultura”.

Vídeos

Nos vídeos que seguem, podemos conhecer um pouco mais deste trabalho da União do Vegetal, trazendo a este povo sua mensagem de Luz, Paz e Amor, e também contribuindo com o Poder Público para trazer saúde e progresso aos nossos irmãos indígenas, fortalecendo suas origens e tradições.


>> Assista o vídeo Novo Encanto no Xingu

*Carlos Teodoro Irigaray é Mestre Assistente Geral do Centro Espírita Beneficente União do Vegetal.

10 respostas
  1. Nicholas Vale
    Nicholas Vale says:

    Iniciativa lindíssima e louvável! Trazendo de volta essa idéia maravilhosa do Projeto Pegadas. Aproveito para perguntar se é viável reativarmos esse Projeto para os jovens hoasqueiros! Os que já participaram quando teve no Ceará há mais de 10 anos jamais esquecerão!

    RESPOSTA:Caro Nicholas, a Coordenação de Orientação Espiritual está trabalhando no sentido de trazer de volta o Projeto Pegadas, mas ainda não há datas e nem programação.

    Responder
  2. Silvia Salim
    Silvia Salim says:

    “Todos somos um”, coração enche de esperança de dias melhores com o trabalho nas aldeias indígenas e preservação da floresta e costumes.

    Responder
  3. Marcio Alexandre Cardenuto
    Marcio Alexandre Cardenuto says:

    Emocionante a restauração da cultura.
    Gratidão e uma honra, de alguma forma, fazermos parte dessa ação e outras tantas em prol da humanidade.

    Responder
  4. Rejane Hoisel Arléo
    Rejane Hoisel Arléo says:

    Que trabalho importante o de proporcionar aos indígenas o reencontro com o Vegetal.
    Vídeo muito bonito, feito com capricho e profissionalismo. Belas imagens!
    Parabéns à direção da UDV e a todos os envolvidos!

    Responder
  5. Wanda Maria Piccoli Ferreira Di Migueli
    Wanda Maria Piccoli Ferreira Di Migueli says:

    Precisamos amar para não adoecer, curando nossas vidas, e prestando atenção nos aspectos que precisam ser curados. A Natureza é a forma que o Universo encontrou para nos mostrar como a gente é. Aí a gente pode ser grande que nem as montanhas, leve que nem o vento, suave que nem a água e brilhar que nem o fogo! A expressão do verdadeiro SER. GRATIDÃO pelo trabalho!!

    Responder
  6. Estêvão Daltro
    Estêvão Daltro says:

    Quero expressar meu reconhecimento a todos que estão se dedicando a este belo trabalho. Poder ver a UDV se dedicando aos nossos manos indígenas, tanto nos aspectos sociais, materiais, quanto no resgate desta ligação do Chá aos povos da floresta é encantador, emocionante mesmo. Que seja continuo. Quero poder conhecer de perto.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *