Núcleo Estrela Matutina, há 25 anos na constelação da UDV

Cleide Malheiros Rocha*

| 21 abril 2018

Irmandade do Núcleo Estrela Matutina, abril de 2018 | DMC/Núcleo Estrela Matutina

Bebi o Vegetal pela primeira vez em julho de 1992, na Sede Geral (Brasília-DF), e lá me associei em 7 de setembro do mesmo ano. Pouco tempo depois, em outubro de 1992, o Mestre Representante à época, Luís Felipe Belmonte dos Santos, anunciou em Sessão a criação de uma nova Distribuição de Vegetal, sob responsabilidade do Mestre Mauro Mesquita, e perguntou quem estava querendo fazer parte daquele grupo. Eu fui uma das pessoas que quis me juntar a eles.

A partir daquele dia, iniciamos os trabalhos para a criação da nova Distribuição. A irmã Joana Amélia, que estava afastada da UDV, retornou e, ao saber que estávamos procurando um novo local, indicou uma bela chácara que estava à venda. Três sócios se juntaram e compraram o terreno à vista: Conselheiro Carlos Henrique Marchesoni, Conselheira Gláucia Martins e Zadi Paranayba. O valor foi cotizado entre todos os sócios e pago a eles mensalmente.

Clique aqui e acesse a Galeria de Imagens do Núcleo Estrela Matutina 

Passávamos os finais de semana em mutirões de limpeza e construção no local. Tomávamos banho e almoçávamos na chácara da irmã Joana Amélia, perto do terreno. Nos dias em que havia Sessão de Escala, trabalhávamos no terreno durante o dia e íamos no final da tarde para a Sessão na Sede Geral, onde ainda éramos responsáveis pela cantina – nossa primeira fonte de recursos para as obras.

Distribuição Autorizada

Éramos jovens, cheios de energia e entusiasmo e essa foi nossa rotina até o dia da inauguração da Distribuição Autorizada de Brasília, em 21 de abril de 1993, quando foi realizada a primeira Sessão no local. Brasília inteirava 33 anos e inaugurávamos a Distribuição com 33 sócios (13 homens e 20 mulheres), sendo cinco pessoas na Direção: Mestre Mauro Mesquita, Conselheiros e Conselheiras Niura Rosa, Carlos Henrique Marchesoni, Cida Marchesoni e Glaucia Martins.

Na época, não havia água encanada e nem energia elétrica no local. Usávamos uma vitrolinha a pilha nas sessões, nossa iluminação era à base de lampião, tomávamos banho e lavávamos as louças no riacho localizado no fundo do terreno. Pela característica do grupo, a maioria mulheres, nós sempre estivemos à frente dos trabalhos, fazendo o que fosse necessário, inclusive carregando pedras, puxando água do poço e pintando paredes.

A pequena casinha, composta de sala, dois quartos, cozinha e banheiro, foi transformada para nos acolher. A sala passou a ser o Salão para as Sessões. Em um dos quartos, funcionava secretaria e tesouraria e, no outro, o berçário. Trabalho, suor e alegria uniram ainda mais o grupo. Fizemos muitas promoções para arrecadar recursos: bazares na escola da região, “Chás com Arte” e lindos recitais com Moema Craveiro ao piano, Zé da Flauta, Sidnei Maia e Stela Brandão, pessoas queridas que doaram seus talentos para nos auxiliarem naquele início.

Pré-núcleo e Núcleo

O tempo passou rapidamente e nossa convivência era bem agradável. Estar nos finais de semana em companhia de pessoas com os mesmos ideais foi enriquecedor. Seguimos trabalhando e crescendo e, no dia 06 de janeiro de 1995, passamos à condição de Pré-Núcleo Estrela Matutina (nome sugerido pela Cons. Niura Rosa), tendo como Mestre Representante o Mestre Carlos Henrique Marchesoni.

Em 22 de julho de 1998, passamos a realizar as Sessões no novo Templo. Naquele mesmo ano, inauguramos nossa Casa de Preparo. Todos se dedicavam com empenho, porém, a participação do Conselheiro Zadi Paranayba nas obras foi fundamental, pois as reformas feitas nas instalações iniciais, assim como o projeto e a coordenação da construção da Casa de Preparo e do Templo foram feitos por ele, com o auxílio da irmã Cecília Segré. Assim, em reconhecimento à sua importância para a nossa história, nosso Templo recebeu o nome de “Conselheiro Zadi”.

Em 06 de janeiro de 1999, chegamos à meta tão esperada: com 65 sócios e 13 pessoas na Direção, passamos à condição de Núcleo Estrela Matutina.

Renovação

Em 27 de março de 2011, tivemos a alegria de receber 33 irmãos de uma outra sociedade hoasqueira, “Caminho da Luz”, que se integraram à UDV. E então, com o mesmo número de pessoas com que iniciamos em 1993, esses novos e valiosos irmãos chegaram trazendo a força da renovação e fizeram a diferença em um dos momentos mais delicados que tivemos na história do Núcleo – o incêndio ocorrido em agosto de 2011, que destruiu todo o nosso Templo. Na época, passamos a realizar nossas Sessões no refeitório, com mesa, arco e vitrolinha emprestados dos irmãos recém-chegados. E a integração, com certeza, tomou outra dimensão.

Ao iniciarmos a construção do novo Templo, vimos que o incêndio na verdade foi uma guarnição, pois os pilares de madeira que sustentavam o Templo antigo estavam com as bases comprometidas e o risco da estrutura desabar era grande. Um momento em que pudemos sentir fortemente a presença do Mestre Gabriel e a confirmação da força da União foi quando irmãos de todo o Brasil, dos Núcleos mais distantes do interior da floresta amazônica e até do exterior deram sua parcela de colaboração na ação entre amigos que fizemos para auxiliar na reconstrução. Gesto que até hoje me emociona.

Amigos que já partiram

Não há como falar da história do Estrela Matutina sem me lembrar com saudades dos amigos que fizeram parte dela e já não estão mais neste plano: Joana Amélia Lemos, Carlos Eduardo Dutra, Conselheira Gláucia Martins, Conselheiro Zadi Paranayba, Elvira Nogueira, Toninho (Antônio Pereira Neto), Armando Lopes, Mestre Patrício de Almeida, Conselheira Edilma Cantanhede, Conselheiro Dejalma de Oliveira, Conselheiro Renato Burgos e tantos outros irmãos e irmãs que por aqui já passaram, trazendo o calor da amizade e suas contribuições ao nosso Núcleo.

Meu agradecimento especial também aos Mestres que ocuparam o lugar de Mestre Representante, conduzindo o rebanho: Carlos Henrique Marchesoni, Klaus Paranayba, Mauro Mesquita, Carcius Azevedo, Marcel Voos, Renato Palet, João Castro e, atualmente, Maurício Rovo.

A história deste Núcleo está também na história da minha família. Aqui, meus dois filhos cresceram e hoje sinto grande alegria e gratidão por vê-los sócios deste mesmo Núcleo que venho tendo a honra de auxiliar a construir, onde venho aprendendo a viver melhor e fazendo grandes e valiosos amigos.

Mais prosperidade

Sinto que estamos chegando a um momento de mais prosperidade para nossa irmandade. Recentemente, conseguimos construir nosso tão desejado e merecido banheiro novo e, em breve, inauguraremos a Casa das Crianças. E nossa prosperidade depende de nós mesmos, de cada um se sentir responsável e poder dar sua parcela de contribuição para que as coisas se concretizem.

Assim, neste aniversário de 25 anos, desejo à irmandade do Núcleo Estrela Matutina que todos possamos sentir cada vez mais amor por esta obra e nos dedicar a zelar por ela, neste nobre e sublime trabalho de dar continuidade à expansão da obra do Mestre Gabriel – por nossos filhos, nossos netos, por nós mesmos e por quem mais há de chegar.

Minha gratidão por tudo que tenho vivenciado na UDV! Votos de que o Mestre nos guarneça e nos conduza no caminho de Luz, Paz e Amor. Que a Estrela Matutina clareie nosso viver.

*Cleide Malheiros Rocha é Integrante do Corpo do Conselho do Núcleo Estrela Matutina (Brasília-DF) e Secretária Adjunta da Diretoria Geral (2018-2021).

10 respostas
  1. Dalva Rolim Neto Zampier
    Dalva Rolim Neto Zampier says:

    C.Cleide, grata por narrar tão bela e valorosa história!
    Momentos de força, determinação, união e confiança neste Mestre que nos guia.
    Parabéns a todos vocês, irmãos sócios do Núcleo Estrela Matutina!
    Quero um dia poder visitá-los!
    Um fraterno abraço em todos!

  2. Ana Maria Rocha
    Ana Maria Rocha says:

    Que belo relato de um trabalho que uniu tantas pessoas com um objetivo espiritual elevado, vitorioso por unir as pessoas na busca da superação e do aprimoramento individual e coletivo. Parabéns ao Núcleo Estrela Matutina e à toda comunidade. Orgulhosa por ver minha irmã Cleide e meus sobrinhos Nicolau e Danilo nesta caminhada. Agradeço também por ter sido acolhida pelo Núcleo num momento de minha própria busca espiritual que, embora não tenha tido continuidade ali, foi de grande valia.

  3. Paulo de Tarso
    Paulo de Tarso says:

    Honras à irmandade deste lugar cativante, que tão bem recebeu minha família quando chegamos do Acre no Distrito Federal.
    Votos de progresso e que cada um possa receber Luz, Paz e Amor na caminhada.
    Viva o Núcleo Estrela Matutina!
    Viva a União do Vegetal!

  4. Mariana Mesquita
    Mariana Mesquita says:

    Que alegria fazer parte desta história. Cheguei no Núcleo jovem com 13 anos de idade, onde me associei e venho seguindo até hoje. Me sinto feliz em presenciar este no momento com mais prosperidade no Núcleo. Desejo que o Mestre Gabriel nos abençoe e nos dê condições de seguir trabalhando por sua obra.

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta