Mestre Pequenina honrou e cumpriu com louvor sua missão

Ermanna Cavazzoli da Costa*

| 28 Setembro, 2021

Este 28 de setembro de 2021 não pode ser esquecido por nós, discípulos da UDV, por ser o dia no qual a querida Mestre Pequenina, considerada por muitos adeptos a matriarca da União do Vegetal, estaria inteirando 93 anos.

Mestre Gabriel casou-se com essa jovem mulher (Raimunda Ferreira da Costa, na época com 19 anos) que veio nessa encarnação predestinada a cumprir uma nobre e valiosa missão, a de ser companheira do nosso Guia Espiritual e auxiliá-lo na criação da UDV. Uma religião que em sua doutrina nos mostra o valor que tem uma mulher na vida de um homem e vice-versa, princípio básico para a formação da família e a continuidade da vida, com a geração dos filhos.

Toda natureza manifesta a complementação do princípio masculino e feminino e o nosso sacramento não podia ser diferente.

Fielmente coerente em sua prática de vida a seus ensinos, Mestre Gabriel mostrou e declarou o respeito, a consideração e o valor que deu e tinha a sua esposa, em uma cultura extremamente machista, principalmente a dos seringais, onde a mulher era um mero objeto a serviço do homem.

A nossa querida Mestre Pequenina soube honrar e cumprir com louvor a missão.

Companheira fiel que não titubeou em acompanhar seu esposo nas idas e vindas aos seringais, enfrentando com coragem e força os desafios de um ambiente inóspito, aos poucos foi compreendendo a revelação do verdadeiro Tesouro que o Mestre anunciava e nos ofertou.

Encarando assim novos desafios na labuta com os irmãos que vinham chegando, abrindo a porta da sua casa, acolhendo e ofertando abrigo quando alguém precisava, apesar da família crescida com um tanto de filhos, aconselhando e doutrinando quando a situação pedia.

Talento, força e firmeza

Quando cheguei à UDV, nos inícios dos anos de 1980, no Núcleo Apuí (Lauro de Freitas-BA), ouvia algumas pessoas da Direção falar no talento e na força que ela tinha, única Mestre mulher, até que um dia em visita ao Núcleo e à família do Mestre Gabriel tive a oportunidade de conhecê-la. A princípio uma pessoa austera, que não dava espaço para futilidades nem beatice, mas o destino me proporcionou o merecimento de poder conviver um pouco com ela, ter uma maior aproximação.

Quando fui a Porto Velho para noivar com Jair, em 1992, visitei sua casa e a primeira coisa que chamou minha atenção foi uma escrita na entrada acima da porta: “Quem direito anda direito tem”. Ao adentrar na sala, nas paredes pintadas de azul-celeste, fotos, desenhos, quadros e objetos, tudo retratava Mestre Gabriel e a UDV. Parecia como se eu tivesse entrado em uma outra dimensão da realidade, bem diferente da cultura à qual estava acostumada; nada era discreto.

Conheci o seu filho Benvino e o José Gabriel da Costa Filho, chamado de “Róseo”, percebendo mais a labuta dessa mulher que teve 11 filhos, uns com limitações e algumas dependências que demandavam muito mais dedicação. Outros filhos já casados com família formada, de forte personalidade, chegavam pedindo “bença” e se despediam pedindo “bença”. Pude sentir assim o respeito, a consideração e o carinho que todos tinham pela mãe, o esteio daquela casa. O entra e sai de netos, discípulos e amigos naquela casa simples de portas abertas, onde não faltava alimento, também me tocou.

Aquele azul-celeste das paredes de repente extravasava, simbolizando a firmeza com a qual ela teve de enfrentar a realidade da vida.

Em uma outra oportunidade pude presenciar e perceber uma peculiaridade da Mestre Pequenina que chamou muito minha atenção: a ligação diferenciada que estabelecia no contato do olhar com uma pessoa que fora conversar assuntos pessoais, pedindo conselho. Tratava-se de um nível de concentração acima do normal que não tinha visto em ninguém até aquele momento.

Senti o peso em algumas situações de sua palavra, a dimensão que ela tinha da percepção espiritual da vida, abrindo novas janelas para o meu olhar.

Vencendo desafios

Admiro a capacidade e força daquele espírito em vencer os desafios impostos, a superação da dor de perder ainda jovem (ela tinha 43 anos) seu esposo, companheiro, amigo e guia, e também de alguns filhos (pude presenciar o sofrimento profundo da perda do filho Salomão). Mas conseguiu sempre, com o tempo, se reerguer e dar continuidade a sua missão de mãe, de defensora e zeladora desta Obra, à qual dedicou com afinco sua vida. As palavras por ela expressas resumem isso: “A União do Vegetal é meu pai, minha mãe, é tudo para mim”.

Contadora de casos e tantas vivências, não perdeu a capacidade, apesar dos sofrimentos, de trazer momentos de alegria e bom humor.

O Mestre Gabriel, profundo conhecedor da alma humana, escolheu-a para cumprir sua missão, e fez questão de dizer, para quem não tivesse uma compreensão mais esclarecida, que ele recriou a União do Vegetal com Pequenina e se fosse necessário voltaria a recriá-la com ela.

Entregou a ela o segredo da Pedra de Talismã, a competência de ter um domínio da burracheira, e de tirar qualquer um que entrasse em situações extremamente difíceis na força do Vegetal.

Na sua última viagem, a Manaus, sabendo que não retornaria, Mestre Gabriel pegou os documentos que regem o Centro e os entregou na mão dela dizendo: “Pequenina, quando precisar de mim aqui está eu”.

Quero expressar aqui minha gratidão por ter recebido esse convite do Blog da UDV, de poder expressar minha homenagem neste dia à Mestre Pequenina, essa senhora tão especial, matriarca desta incomensurável Obra, espelho e referência de mulher e discípula. E para mim também, em especial, por ter gerado em seu ventre e criado com a dedicação e o zelo de uma mãe amorosa o seu filho Jair, meu marido, companheiro, amigo e Mestre.

*Ermanna Cavazzoli da Costa é integrante do Corpo do Conselho do Núcleo Sultão das Matas (Lauro de Freitas-BA).

35 respostas
  1. Ivan de Souza
    Ivan de Souza says:

    Comovente relato!
    Tive a oportunidade de conhecer essa importante mulher de simplicidade franciscana e sabedoria elevada. Inesquecível!
    Que o Divino e o Grande Mestres estejam em sua companhia!

    Responder
  2. Nazareth Roriz
    Nazareth Roriz says:

    Grata a C. Ermanna por descrever de forma tão tocante seu olhar a respeito de M. Pequenina. Ela não podia ser uma mulher comum, tinha que ser especial para acompanhar o M. Gabriel nessa sagrada missão.
    Salve dia 28 de setembro.

    Responder
  3. Cintia
    Cintia says:

    Parabéns à M. Pequenina. Pude conhecer pessoalmente quando veio à Goiânia e ficou na casa da minha irmã. Ela me perguntou se eu podia dormir no quarto com ela, se meu marido não ia importar. Eu achei graça, e disse que não . Muito amorosa, encantadora.

    Responder
  4. Camila Marques
    Camila Marques says:

    Texto bem profundo, tocou profundamente meu sentimento, trazendo para minha caminhada como mulher, companheira e mãe na União do Vegetal mais clareza, orientação e reconhecimento do meu lugar.
    Grata ao Mestre por poder seguir nesta Sagrada UDV, constituir minha família tendo nela minha base. Viva Mestre Pequenina!

    Responder
  5. Ilana
    Ilana says:

    Lindo texto! Grata conselheira Ermanna por trazer para nós algo da sua valiosa vivência com a Mestre Pequenina!
    Que tenhamos onde guardar tão preciosa dedicação da Mestre Pequenina !

    Responder
  6. JESUS SERATO - N Encanto da Rosa
    JESUS SERATO - N Encanto da Rosa says:

    À Mestre Pequenina, minha Gratidão pelo zelo da minha família, sem a minha família saber quem Ela era, pelo Amor a minha família sem a minha família tê-la amada em vida, pela Luz que trouxe a minha família mesmo sem enxergar através do brilho em nosso lar, pela Paz que acalmou os nossos corações. Graças a sua firmeza hoje temos muito a agradecer e a nos fortalecer mais ainda, agora que temos a consciência de como devemos caminhar nos ensinamentos do Mestre Gabriel.

    Responder
  7. Maria Helena Costa Rodrigues de Moraes
    Maria Helena Costa Rodrigues de Moraes says:

    Belo texto e Sentimento!
    Grata Conselheira Ermanna, por trazer com singeleza ao meu aprendizado, valores e virtudes de Mestre Pequenina.

    Responder
  8. Vanessa Weirich Lemos
    Vanessa Weirich Lemos says:

    Que os exemplos de fibra, simplicidade, dedicação à família e a esta Sagrada Obra deixados por Mestre Pequenina continuem sempre vivos em nós, caianinhos.
    Grata à equipe do Blog e C. Ermana pela homenagem a esta mulher tão valorosa.

    Responder
  9. Viviane
    Viviane says:

    Uma beleza de texto, Conselheira Ermana, com riqueza de detalhes simples, que nos proporcionam uma bela reflexão. Certeza que Ela estava no seu coração quando escreveu. Hoje é um dia especial na minha memória. Tive a sorte de comemorar junto à ela algumas vezes.
    Um presente do Mestre na minha vida e de nossa família. Gratidão e saudade sempre . Felicidades à todos

    Responder
  10. Itana Ferreira de Pinho Miguez
    Itana Ferreira de Pinho Miguez says:

    Bela homenagem! Palavras trazidas do coração.
    Mestre Pequenina pessoa de grande valor na União do Vegetal. A fiel companheira do Mestre,recriando a União do Vegetal com amor e zelo,onde não mediu esforços para auxilia-lo em tudo que foi preciso. Segurou o Leme com maestria e Amor. Grata C.Ermana pelo belo depoimento.

    Responder
  11. Jussara Oliveira Cotta
    Jussara Oliveira Cotta says:

    Boas palavras C. Ermana! Verdadeiras.
    De quem conviveu e soube ver o grau espiritual dela.
    Uma mulher que desde a tenra infância, aprendeu a lidar com a perda dos seus pais. Cresceu em cidades, era “urbana”, e quando de casou, acompanhando seu esposo na época José Gabriel da Costa ao seringal, em busca do tesouro que o Mestre havia falado, teve que aprender a conhecer como é viver na floresta, como disse prá mim um dia. Eu também admiro e reconheço o talento e a capacidade espiritual que ela tinha.
    Um exemplo marcante pro meu ser.
    Sinto gratidão ao Mestre por ter conviver um pouco com ela. Ela inesquecível.

    Responder
    • Alba Regina Souza Liberato de Mattos
      Alba Regina Souza Liberato de Mattos says:

      Que expressão tocante da força que emanava de M. Pequenina. Valeu o desafio enfrentado com galhardia amiga C. Ermanna. O resultado me transportou aos poucos momentos que tive na companhia daquela sábia senhora. Uma referência poderosa para nós.

      Responder
  12. Regina Richau Frazão
    Regina Richau Frazão says:

    Muito grata, C. Ermanna, por este relato tão rico em detalhes e amoroso que me aproximou ainda mais de M. Pequenina. Lembro muito de alguns momentos do convívio de nós duas. Quem sabe teremos mais oportunidades, dessa vez, para conhecer melhor a mãe de seu companheiro M.Jair!
    Desejo felicidades para sua família !

    Responder
  13. Lucilene
    Lucilene says:

    Amoroso e fraterno relato da C. Ermana, conseguiu retratar a importancia da UDV, de sua historia e constituiçao no seio da familia de nosso Mestre e de M Pequenina. Com sensibilidade conseguiu mostrar a grandeza da familia e especialmente desta mulher simples, guerreira e fiel a sua missao de ser sustento e aprendiz neste incrivel caminho de conhecimento e reconhecimento trazido por M Gabriel. Grata a vc C Ermana. Te conheci em 1992 na casa de M Pequenina, em PVH-RO. Que Deus abençoe vc e sua familia! ✨

    Responder
  14. Renato Barbosa
    Renato Barbosa says:

    ” A União do Vegetal é um tesouro – o verdadeiro Tesouro . ”
    M Pequenina
    Testemunhou e compartilhou com o Mestre Gabriel , as imensas dificuldades vencidas p trazer esse Tesouro ao mundo . Zelando com amor por essas maravilhosas pedras preciosas que são os ensinos do Grande Mestre .
    Feliz aniversário , nossa matriarca !
    Feliz aniversário , querida M Pequenina !
    Gratidão !

    Responder
  15. Ilza Brum Ribas
    Ilza Brum Ribas says:

    Mestre Pequenina sempre tocou meu coração… Um texto belo e emocionante me conectou à uma burracheira no Sunta, onde o sentir se fez luz e M. Pequenina se mostrou pelo pouso de uma borboleta em meu ombro e uma chuva de folhas caiu, mesmo sem vento algum soprar em pleno meio-dia… Gratidão eterna por se fazer presente, atendendo uma prece…
    Grandeza de mãe, mulher, esposa e guia espiritual.
    Gratidão Mestre Gabriel!
    Gratidão M. Pequenina!

    Responder
  16. Edvilsom Carlos da Silva
    Edvilsom Carlos da Silva says:

    Tive a honra e o prazer de conhecer pessoalmente esse mulher de fibra e coragem na União do Vegetal, estive com ela por duas vezes, a primeira no encontro internacional da Hoasca em Brasília e também na inauguração do Núcleo Conselheiro Salomão Gabriel, e vi no seu olhar a força e o exemplo de mãe e discípula que pode mesmo ser considerada a matriarca da União do Vegetal.
    Tive e tenho boas amizades com dois de seus filhos, Mestre Jair Gabriel e C. Jandira, os quais já me proporcionaram bons momentos de vida, falando de Mestre Pequenina seu exemplo.
    Parabéns a ela.

    C. Carlos Refribom (Núcleo Augusto Cangulê 14 região)

    Responder
  17. Rejane Hoisel Arléo
    Rejane Hoisel Arléo says:

    Gratidão a esta senhora que esteve ao lado no nosso Mestre, auxiliando-o a criar esta Sagrada União, para que nós, caianinhos, possamos seguir nesse caminho de Luz, Paz e Amor.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *