Bem-aventurança materna

| 10 Maio, 2020

Luana Vianez Moreira*

Luana e família | Arquivo pessoal.

Dois corações. Um pulsando no peito e outro no ventre. Um marcando o compasso, outro menor, mais ligeirinho. Assim começa uma jornada em direção ao amor. Ser mãe é doar de si desde o primeiro instante e pela vida afora. Por um milagre da multiplicação, um corpinho ainda tão frágil (às vezes dois, três de uma vez…) se forma(m) no interior de uma mulher que diz sim à sua mais elevada missão. Gerar é generosamente trazer à luz, mais um filho de Deus.

A cada filho que nasce, a mulher renasce e a vida segue seu curso. Mesmo quando o cordão é cortado, permanece a ligação entre mãe e filho. Ligação capaz de ultrapassar os limites de espaço e de tempo. Se inicia uma intensa jornada de desenvolvimento para o filho e mais ainda para a mãe. Peito que nutre, colo que acalenta, dedicação que vai além do que imaginamos ser capazes.

A vida muda para sempre depois da maternidade. Passa a ser muito mais difícil ficar pendurada no tempo, na recusa de amadurecer, visto que todo caminho de desenvolvimento de virtudes se abre aos pés de uma mãe. E quanto mais passos percorridos nesse caminho, mais forte será o caráter dos filhos. Na medida em que a mãe se firma na missão de cuidar e educar aquele que por Deus lhe foi destinado, mais fortaleza pode encontrar.

Tarefa difícil é revelar com palavras a grandeza singela de uma mãe. Mãe é água que dá de beber aos que têm sede, que lava as feridas até que sarem, que clareia a roupa para ser usada outra vez, que limpa o coração quando dos olhos ela escorre. Mãe é fogo de cozinhar o alimento, de amornar o escalda-pés após um dia de labor, de fazer cosquinha no filho que cresce, é calor e ternura ao abraçar os que choram. Mãe é ar que sopra o mingau quente, é respiração profunda que acalma, é brisa leve que alivia o enfado, é ventania que precede a tempestade, é inspiração divina que trás a palavra certa, na hora certa. Mãe é terra que multiplica a semente, é raiz que sustenta, é tronco que orienta, fruto que alimenta e flor no jardim, a nos encantar.

Mãe é mão que embala o sono, mão que segura a travessia dos primeiros passos, que levanta das quedas e que mostra o caminho que se deve seguir. Sempre que preciso, se desdobra em seus labores para atender o clamor de um filho. E se curva diante de Deus, em busca de compreender Seus desígnios.

Abençoadas sejam as mães por serem, dentre os demais seres, especialmente intuitivas, sensíveis e carinhosas. E como filhas de Maria Santíssima que somos, temos a graça de sempre ter a quem recorrer nos momentos de aflição. Nossa Senhora, fazei-nos dignas e mansas de coração! Que possamos, diariamente, viver a bem-aventurança desse caminho e um dia alcançar seu sublime destino que é o Amor. Ave Maria, rogai por nós!

*Luana Vianez Moreira é integrante do Corpo Instrutivo do Núcleo Mestre Pequenina PortoVelho (RO), esposa do Marcos, mãe do Nuno (13), da Lis (10) e da Maya (9).

5 respostas
  1. Luiz Guilherme Nascimento
    Luiz Guilherme Nascimento says:

    Muito lindo. Uma família que admiro. Uma mãe zelosa e dedicada. Parabéns pelo dia das mães, minha querida amiga Luana. Nossa sempre Luaninha.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *