Rosiane Limaverde – uma mulher, uma conselheira, uma missão

Jaques Andrade*
David van den Brule**

Rosiane Limaverde – uma mulher, uma conselheira, uma missão | Foto: Hélio Filho (Fundação Casa Grande).

No dia 20 de março de 2017, a Direção da União do Vegetal e a cultura brasileira perderam um de seus grandes nomes. Rosiane Limaverde, a Conselheira Rosiane – como era conhecida na 11ª Região, que frequentou por muitos anos, e na 10ª Região, onde atualmente era sócia –, fez a passagem, após uma longa batalha contra uma enfermidade. Ela deixou saudosos inúmeros amigos e admiradores, que foram tocados por seus exemplos de amor, alegria e carinho. Este artigo é uma singela homenagem a esta mulher que tanto trabalhou pela Obra do Mestre e pela preservação da história e da cultura brasileira.

Rosiane Limaverde Vilar Mendonça nasceu em 19 de dezembro de 1964, na cidade do Crato (CE). No ano de 1983, por conta de um festival de música do Colégio Municipal do Crato, conheceu Alemberg Quindins e começaram a namorar. Havia algumas coincidências e afinidades entre eles: além do gosto musical, tinham a mesma idade, nasceram no mesmo dia e na mesma cidade, o que, para ela, tratava-se, talvez, de um reencontro. Ao fim daquele ano, em 22 de dezembro, casaram-se na Igreja de Missão Velha (CE).

Durante quase dez anos, viveram uma vida de viajantes, participando de festivais de música pelo interior do Brasil. Passaram por muitos lugares, desenvolvendo amizades com cantores conhecidos da música popular brasileira. Tocavam instrumentos rústicos e cantavam na língua dos índios kariri, região onde nasceram e aprenderam a observar os sons da natureza, somando a eles as histórias e lendas da região, que entoavam em suas canções.

Em 1989, ganharam os prêmios de Melhor Música e Melhor Arranjo no Festival de Música Instrumental de Maringá, no Paraná. Com essa experiência, enriqueceram o cenário cultural da Região do Cariri.

Na UDV

Rosiane e Alemberg chegaram à União do Vegetal em 1994. Associaram-se ao Núcleo Tucunacá, localizado a 560 km de sua residência. Nesse mesmo Núcleo, Rosiane chegou ao Corpo Instrutivo. Junto com alguns irmãos, participou ativamente, desde o início, da construção do Núcleo Santa Fé do Cariri, na cidade do Crato. Ali, chegou ao grau de Conselheira, graças ao seu trabalho, exemplo e à prática nas atividades da União do Vegetal. Atualmente, estava frequentando a Distribuição Autorizada de Vegetal de São José do Bomfim (PB), auxiliando no início de mais um Núcleo.

O casal tem dois filhos, Ana Sewi e Pedro Yã, que, com certeza, sentirão saudades de sua mãe, amiga e instrutora. Hoje, o Mestre Alemberg ocupa o cargo de secretário de Cultura de Juazeiro do Norte, cidade vizinha ao Crato, onde reside.

Rosiane faleceu serenamente em sua residência, ao amanhecer do dia 20 de março, ouvindo o canto de muitos pássaros, e com a luz do Sol a iluminar os pingos da chuva que embelezaram o jardim de casa, conforme depoimento de seu marido. Foi um momento sublime da natureza, que foi sempre a sua inspiração.

Casa Grande

Um dos grandes marcos da história de Rosiane ocorreu em 1992, quando Alemberg e ela abriram a Fundação Casa Grande, em Nova Olinda (CE). O local escolhido foi um casarão abandonado e em ruínas, antiga residência do avô de Alemberg. Ali foi a primeira casa da Fazenda Tapera, ponto de passagem da estrada das boiadas, que ligava o Cariri ao Sertão dos Inhamuns, no período da civilização do couro, no fim do século XVII.

Rosiane e Alemberg começaram limpando e pintando o antigo casarão. Utilizaram a calçada como palco e, com troncos de coqueiro, fizeram os bancos para o público, que eram as próprias crianças da vizinhança. Passaram a desenvolver um belo trabalho com crianças e jovens daquela pequena cidade do interior do Ceará. Anos mais tarde, o projeto ficou conhecido internacionalmente, recebendo o apoio do Governo do Estado do Ceará, de Pernambuco e do Unicef. No ano de 2004, o casal recebeu a Comenda da Ordem do Mérito Cultural, do Ministério da Cultura. Além deste, receberam muitos outros prêmios pelo Brasil e exterior.

Hoje, a Fundação Casa Grande já ocupa um quarteirão inteiro, onde tem escola de música, biblioteca, laboratórios, auditório de teatro, TV, rádio, editora, entre outras atividades lúdicas e culturais, atendendo a aproximadamente 70 crianças diariamente.

Com o grande interesse da população, a fundação também desenvolveu o turismo receptivo, pois é visitada por aproximadamente 30 mil pessoas ao ano. Todas as atividades na fundação são desenvolvidas por crianças e jovens. Além de receberem um complemento educacional, eles estão sendo preparados para a vida profissional e artística. Muitos já cresceram e já participam da vida social de Nova Olinda.

Arqueologia

Um dos principais trabalhos da Fundação Casa Grande é o Memorial Homem do Kariri, que remonta à história dos antigos habitantes daquela região, que possui muitos sítios arqueológicos. Por sinal, a Arqueologia era outra paixão de Rosiane Limaverde. Por este ramo do conhecimento, se tornou doutora, pela Universidade de Coimbra, em Portugal, onde apresentou a tese com o título “Arqueologia Social Inclusiva”, que aborda a arqueologia pelo aspecto humano. Por esse motivo, a Universidade de Coimbra criou uma comenda que levará o nome de Rosiane.

Para conhecer mais a Fundação Casa Grande, acesse o endereço: www.fundacaocasagrande.org.br

Ela também era uma pesquisadora de campo, e desenvolveu um grande trabalho de escavação de fósseis, artefatos indígenas, catalogação e identificação de pinturas rupestres na região de Santana do Cariri, a segunda região fossilífera mais antiga e mais rica em diversidade do Brasil, além de também ensinar e motivar as crianças daquela cidade a desenvolverem o mesmo trabalho. Foi uma mulher de fibra e de muita responsabilidade.

Vida que segue

Que nosso amigo e irmão Mestre Alemberg continue o seu belo trabalho, sempre amparado pela lembrança do seu grande amor, Rosiane Limaverde. Ao longo de 35 anos de União, eles construíram o sonho de “realizar pessoas”, e a sua história de vida só dá para ser contada com a referência de um ao outro. Essa união foi, em versos, eternizada pelo grande “Poeta do Sertão”, Patativa do Assaré.

Alemberg e Rosiane, a dupla Quindim

(Patativa do Assaré)

 

Com verdade decidida

Uma dupla preferida

Vou apresentar aqui

Para que ninguém se engane

Alemberg e Rosiane

Artistas do Cariri.

 

Sou poeta repentista

Sei bem julgar o artista

E por isso digo assim

Da cultura mostra a prova

Esta nossa dupla nova

Conhecida por Quindim.

 

Ela apresenta o folclore

Para que sempre vigore

E tenha valor e vida

Nossas preciosas prendas, crenças, costumes e lendas

De nossa terra querida.

 

Quem bem enxergar ver

Se a dupla agrada a você

Me dá um prazer sem fim

Convém que o público enxergue

Rosiane e Alemberg

Famosa dupla Quindim.

“Ao meu companheiro de sonho, direi sempre: ‘da vida, nunca vou me arrepender!’”

Rosiane Limaverde

*Jaques Andrade é membro do Corpo do Conselho do Núcleo Natal (Natal-RN, 10ª Região) e amigo, há décadas, de Alemberg e Rosiane.
**David van den Brule é membro do Corpo Instrutivo do Nucleo Cajueiro (São Lourenço da Mata-PE, 10ª Região) e afilhado do casal.  

Publicado em 03 de Abril de 2017. 

16 respostas
  1. Jane Simoni
    Jane Simoni says:

    Que bonita história de vida, um forte exemplo e homenagem a esta mulher de fibra! Que a família encontre conforto e paz. Parabéns aos autores do texto e a equipe do blog por abrir espaço para conhecermos um pouco mais da história da C. Rosiane.

  2. Sheridan Bastos
    Sheridan Bastos says:

    Uma honra ter conhecido Rosiane. A brevidade do tempo de convivência com o casal no Núcleo Tucunacá , não impediu de perceber em Rosiane, todos os seua talentos. Sempre com seu sorriso brejeiro, simpático e atencioso, deixou marcas indeléveis. Ao seu companheiro de vida , Alemberg e aos seus filhos meus mais profundos sentimentos. Com carinho, Sheridan.

  3. Reinofy Duarte
    Reinofy Duarte says:

    Que bonita história como pessoa, como discípulo do Mestre Gabriel, como Conselheira, como mãe, mostrando que todas essas coisas são compatíveis em um só indivíduo.

    Bonita homenagem – penso que merecida mesmo.

    Que a serenidade chegue ao coração de todos os familiares e amigos mais próximos.

  4. Alba Liberato
    Alba Liberato says:

    Bom identificar a historia desse casal cujo trabalho está plantado no mundo a partir do sertão do Cariri. Espíritos fortes e dedicados a uma causa de amor que incluiu familia, trabalho e religião. Inspirador!

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta