Mestre Manoel Nogueira, exemplo de dedicação à UDV

| 30 Dezembro, 2020

Mestre Manoel Nogueira durante preparo de Vegetal | DMC/Sede Geral.

O Blog da UDV publica abaixo um texto de autoria de Francisco de Borges Monteiro*, o Mestre Borges, em homenagem ao Mestre Manoel Nogueira da Silva. Manel Nogueira, como era chamado por Mestre Gabriel, faria 74 anos na data de hoje. Nascido em Belém do Pará, Mestre Manoel chegou à União do Vegetal aos 18 anos e cedo se destacou pela facilidade de memorizar os ensinos e as chamadas, galgando rapidamente os degraus da UDV. Chegou a ocupar o cargo de Mestre Geral Representante. Participou do primeiro concurso para Mestres promovido pelo Mestre Gabriel e foi aprovado, recebendo o título de Mestre pela Memória.

Conheci o Mestre Manoel Nogueira antes mesmo de eu chegar à União do Vegetal, já que o Constantino sempre levava ele no meu trabalho para me visitar e conversar um pouco. Mesmo não sendo da União do Vegetal, eu tinha sempre contato com ele, estava conhecendo ele aos poucos. Um dia eu marquei de conhecer a União; nessa época ele distribuía o Vegetal na casa do Constantino. Eu fui e, quando já estava com o Vegetal na mão, perguntei a ele se quem tinha feito uso de bebida alcoólica podia beber o chá. Ele disse que não e perguntou se eu tinha bebido naquele dia; respondi que na hora do almoço tinha bebido uma cerveja com meu irmão. Então, ele achou importante que eu deixasse para uma outra oportunidade. Por isso eu só cheguei à União sete meses depois, quando o Núcleo Estrela do Oriente (Boa Vista-RR) já tinha sido inaugurado.

Mestre Manoel demonstrava uma dedicação pelo trabalho do Mestre e pela conservação de seus ensinos. Esse zelo que ele tinha em conservar os ensinos do Mestre era tamanho que, no período em que ele esteve aqui em Boa Vista, vieram alguns Mestres do Conselho da Recordação em busca de se encontrar com ele e conversar a respeito dos ensinos da União. Naquela época, vieram os Mestres Adamir, Pernambuco, Paixão, Monteiro e o Braga. Todos eles vieram, justamente pela dedicação dele em conservar os ensinos, em conservar as coisas do Vegetal.

A gente percebia o grande respeito que tinha pelo trabalho do Mestre Gabriel e pelos discípulos. Ele morou em frente do Núcleo e a gente sempre o visitava. Um homem muito dedicado e sério com as coisas do Vegetal, Mestre Manoel não era de entregar ensino na bandeja. Se o discípulo começasse a perguntar a respeito de ensino, ele já chamava para beber o Vegetal. No Salão do Vegetal, se o discípulo merecesse ele ensinava, ensinava mesmo, mas fora do Salão o assunto era outro.

Segurança

Nós sentíamos nele uma segurança na União do Vegetal e no Mestre Gabriel. Teve um acontecimento aqui que demonstrou isso de forma muito intensa. Foi quando o Aderaldo foi pedir uma licença para os jovens beberem o Vegetal. Aconteceu que, alguns dias depois, a gente estava em uma Sessão e, de repente, quando a gente percebeu, as janelas estavam todas tomadas de policiais. Nesse dia, uma delegada levou uma quantidade de Vegetal e a partir dali as Sessões ficaram suspensas aqui no Núcleo Estrela do Oriente.

Por esse motivo, os discípulos ficaram preocupados com o que poderia acontecer. Mas o Mestre Manoel sempre manteve a confiança no Mestre Gabriel e dizia que aquilo iria ser resolvido; nunca demonstrou abalo de dizer que não daríamos continuidade, falava que a União do Vegetal ia continuar, e realmente continuou, tanto é que estamos aqui hoje. Essa confiança no Mestre ele sempre passou para a gente, porque, com toda aquela situação, ninguém se afastou da União. A gente se segurou na confiança dele e vencemos todas as dificuldades que se apresentaram.

Cativava os discípulos

Uma característica marcante dele era o jeito de cativar os discípulos. Sempre foi muito rente, mas sabia cativar, tinha um carinho muito grande com a gente. Eu, por exemplo, se ele não tivesse tido jeito comigo, eu não estava na União do Vegetal, até porque vontade de sair eu já tive.

Quando cheguei à União do Vegetal, tinha 47 anos. Então, teve uma vez que ele me chamou a atenção na frente de todo mundo e eu não gostei. Por isso eu falei que não ia mais seguir a União do Vegetal porque eu já sabia o que eu queria na vida. Naquela hora, ele perguntou para onde eu iria; aquilo foi, como diz assim, um golpe de Mestre. Eu fiquei calado, porque eu não sabia para onde é que eu ia. Eu já vinha de outros lugares, cheguei à União e já estava encontrando alguma coisa aqui. Aí eu disse: “Eu não sei, Mestre”; então ele falou: “É, se eu soubesse para onde o senhor ia, eu ia também, porque eu tenho vontade de sair da União já tem muito tempo e não achei outro lugar”. Com esta palavra aí ele me segurou na União do Vegetal que até hoje estou aqui; é interessante aquilo ali dele, uma pessoa bem presente na vida da gente aqui.

Teve um acontecimento engraçado com ele aqui. O Constantino tinha aprontado uma coisa e a gente estava em uma Sessão resolvendo aquela situação. Só que o Constantino era muito pulador quando estava sendo chamado à atenção, era cheio de recurso. Aí, teve uma hora que o Mestre Manoel Nogueira disse assim para ele: “Constantino,  você se aquiete, se aquiete, não fique pulando, não, porque o João do Pulo pulou tanto que quebrou a perna, então se aquiete”. Naquele dia a gente riu na Sessão mesmo sem querer, porque o Constantino estava pulando, pulando, arrumando recurso e ele saiu com esta e fez ele se aquietar.

Família

Gostava sempre de estar junto com a família dele e com a família da União do Vegetal, que são nossos irmãos. Ele costumava fazer um mutirão e um almoço aos domingos no Núcleo, principalmente para reunir as famílias, gostava de todos sempre por perto.

O Mestre Manoel Nogueira deixou um importante legado na União do Vegetal e aqui em Roraima, que é justamente transmitir às pessoas esta confiança no Mestre Gabriel e no Vegetal, e, também, esta força da família.  Demonstrou para todos nós que a União do Vegetal é um lugar seguro, é um lugar onde a gente pode buscar equilíbrio na vida da gente.

Para mim, é uma grande oportunidade ter bebido o Vegetal pela primeira vez das mãos dele, ter recebido suas orientações, e a confiança de dar continuação ao trabalho que ele iniciou.

Sou eternamente grato a Mestre Manoel Nogueira por tudo que ele fez por nós e pela União!

*Francisco de Borges Monteiro (Mestre Borges) é integrante do Quadro de Mestres do Núcleo Boa Vista (Boa Vista-RR) e já ocupou o cargo de Mestre Central da 16ª Região (Roraima).

*Atualizado em 31 de dezembro de 2020. 

17 respostas
    • Charles Wellington
      Charles Wellington says:

      Muito legal esse texto, já ouvi muito falar no Mestre Manoel Nogueira. A derradeira vez que ele esteve em Boa Vista foi em Julho de 1997 e cheguei na União em Janeiro de 1998, não o conheci pessoalmente, mas venho o conhecendo através dos dirigentes formados por ele aqui em Roraima. Grato
      Se me permite uma observação o M. Borges já foi representante do N. Estrela do Oriente, mas hoje está filiado ao N. Boa vista onde é sócio fundador.

  1. Simone Andrade
    Simone Andrade says:

    Boas palavras em homenagem a esse senhor de grande importância dentro da UDV, Mestre Manoel Nogueira. Tive a oportunidade de conhecê-lo, embora a convivência tenha sido pouca, pois quando cheguei na União ele já estava se mudando para Brasília com sua família, mas o pouco que conheci me trouxe segurança e confiança na Obra do Mestre.

  2. Silvio Mendonça Gomes
    Silvio Mendonça Gomes says:

    Quando conheci a UDV em janeiro de 1979 no Núcleo Caupuri, foi das mãos do Mestre Manoel Nogueira, Mestre Representante, que eu e minha companheira bebermos o primeiro copo de Vegetal e somos agradecidos.E assim tivemos oportunidade de receber dele os primeiros ensinamentos. Era um Mestre que zelava pelos ensinos do Mestre Gabriel e um amigo de todos discípulos.E assim tivemos o merecimento de conviver com ele e visitamos muito sua casa que ficava próximo do Núcleo. E em outros momentos que tive oportunidade de receber seus ensinamentos foram também de grande proveito na minha formação na UDV. Ao Mestre Manoel Nogueira minha gratidão e saudades deste deu discípulo.

  3. Marcos Fabrício Ortiz de Lima.
    Marcos Fabrício Ortiz de Lima. says:

    “Crescendo devagarinho”. Sou grato a Deus e a nossa senhora mãe santíssima por essa oportunidade de felicitar e reconhecer esse grandioso trabalho de auxílio na obra do Mestre Gabriel. Não tive oportunidade de conhecer o Mestre Manoel Nogueira, mas deixo registrado meus sinceros votos de luz, paz e amor. O bem feitor se conhece pelas suas obras, onde venho ampliando o grau de conhecimento que aprendi na chamada de autoria do Mestre Manoel Nogueira, Crescendo devagarinho. Atenciosamente, Marcos Fabrício.

  4. Erika Madelaine
    Erika Madelaine says:

    Que lindo texto, eu não conheci o M Manoel Nogueira pessoalmente mas sinto que o conheço só de ouvir o M Borges sempre falar dos exemplos e da pessoa boa que ele era pra nós. Viva a esses exemplos que não nos deixam correr pra lugar que não existe.

  5. Samir Dias
    Samir Dias says:

    Parabéns M Borges por esta homenagem ao Mestre Manoel Nogueira da Silva. Pessoa que tive a Alegria de conviver e acompanhá-lo por alguns anos em viagens em RR, GO, RJ,SP, MG e durante o tempo que morou em Brasília. Junto a Conselheira Isabel e Seus Filhos. Mestre Manuel o Amigo Sincero dedicado ao Trabalho Família e CEBUDV. Saudades das inúmeras viagens! Viva ao M Manuel e Família, Grato ao M Borges e irmãos do Núcleo Estrela do Oriente.
    Samir Dias
    N União das Barquinhas- PVH/RO

  6. Alexandre Ottone Meneghini Randow
    Alexandre Ottone Meneghini Randow says:

    Sou grato aos Mestres e irmãos da União por serem zelosos/cativadores uns com outros; a exemplo do M. Manoel Nogueira (relato do M. Borges). Atualmente sócio no N. Estrela do Oriente, onde tenho a oportunidade de conhecer os Mestres Borges (Preparo no sítio Apuí, me encantou vê aquele Sr de cabelos brancos doutrinando e doutrinando, e com suas piadas(a Piaba virou Matrinxã rs), M. Aloysio (no N. Reis Magos algumas vezes ouvi que estava visitando, mas não tinha tido oportunidade de ser doutrinado), M. Evandro (representante do Estrela do Oriente), M. André (Baiano como eu também me considero, que me abraçou fraternalmente e me fortaleceu ao dizer: Vc é da União!)…aos Mestres e irmãos do N. Reis Magos (Ilhéus-Ba), onde bebi Vegetal pela primeira vez pela mão do M. Mário e depois M. João Paulo, M. Léo, abraço fraterno.
    Venho me firmando! E a cada dia este zelo do M. Manoel Nogueira pela União vem aflorando em meu coração! Quanto felicidade e gratidão meus irmãos!

  7. Nelson Bittencourt
    Nelson Bittencourt says:

    Importante esta homenagem ao M. Manoel Nogueira relatando um pouco da sua maneira de ser. Aqui em Porto Alegre, foi o primeiro mestre da origem que recebemos na DAV, no ano de 1987. Naquela ocasião recebi o primeiro ensino das mãos dele. Encontramo-nos outra vezes em sessões. Sou grato pelo bom merecimento.

    (QM – Núcleo Bom Jardineiro – Antonio Prado-RS)

  8. Virginia Carioca
    Virginia Carioca says:

    Mestre Manoel Nogueira, Mestre amigo! Pessoa que me recebeu junto com o meu esposo em 1976, no N. Caupuri. Só tenho gratidão! Era muito sério, mas cativante. Realmente gostava de todos os discípulos por perto. Felicidades aos seus familiares, pessoas queridas. Feliz 2021.

  9. JOÃO BOSCO QUEIROZ
    JOÃO BOSCO QUEIROZ says:

    Apesar de ter partido tão cedo desse plano material, o Mestre Manoel Nogueira deixou uma história de dedicação a obra do Mestre Gabriel. Um homem que deu um exemplo de compromisso com a União ao deixar a cidade de Manaus, onde vivia relativamente bem, para ir morar em Porto Velho e ocupar o cargo de MGR, em 1982, sacrificando sua família e perdendo um pouco do conforto material que tinha conseguido em Manaus. Que sua vida e seus bons exemplos sirvam de referência e motivação para continuarmos seguindo nesse caminho de Luz, Paz e Amor.

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta