Conselheiro Sebastião Condé plantou e cultivou um belo jardim

| 9 Setembro, 2020

Conselheiro Sebastião Condé deixa um legado de belas flores em sua caminhada | Foto: arquivo familiar.

O Conselheiro Sebastião Vicente Condé fez a passagem em 2 de setembro passado, aos 97 anos. O Blog da UDV presta-lhe uma homenagem com este texto escrito por uma de suas netas, Mariana Condé Marques, integrante do Corpo Instrutivo do Núcleo Recanto das Flores (Ubá-MG)

Aos 14 dias de abril de 1923 nasceu Sebastião Vicente Condé, no distrito de Sobral Pinto, município de Ubá-MG. Seus olhos claros transluziam bondade e amor. Com o legado de lavrar a terra que recebeu de seus pais, encontrou nas plantas medicinais seu propósito de curar e fazer o bem. Aos 25 anos encontrou-se com sua flor, Therezinha, e juntos dedicaram-se à sua família com zelo e amor. Com fé e suor criaram 6 filhos, 20 netos e 31 bisnetos.

Conselheiro Sebastião recebeu o primeiro copo de Vegetal de seu filho, Paulo Afonso Amato Condé. Ele sempre foi um homem muito sério, nunca jogou jogos de azar, nunca bebeu, nunca fumou, nem frequentou locais perniciosos ao ser humano. Sempre fiel a sua família, cumpridor da sua palavra, lutou com dificuldades, mas soube vencê-las com honestidade e perseverança. Quando, em 1982, seu filho ainda no Corpo Instrutivo lhe deu o Vegetal, ele pegou o copo e disse: “Olha o que você está fazendo comigo”, e recebeu como resposta que poderia beber que era uma coisa boa.

Assim, encontrou na União do Vegetal e em sua doutrina os sagrados valores que já faziam morada em seu coração. Começou sua caminhada no Núcleo Rei Salomão e foi sócio-fundador no Núcleo Recanto das Flores, que iniciou as primeiras Sessões na varanda da sua casa. Plantou e cultivou seu belo jardim, com disposição para trabalhar e dar bons conselhos. Grande parte da família Condé frequenta a União do Vegetal, seguindo seu exemplo.

Ele dizia que “um homem para se realizar tinha de criar sua família com honra, plantar árvores e escrever um livro para deixar para a posteridade”. E assim ele realizou-se em cultivar amigos, plantas e em deixar escrita sua sabedoria, em seu livro “O Milagre das Plantas”. As lembranças que guardo de meu avô são de um homem sério e íntegro, que sabia encontrar ternura na firmeza e tinha o dom de semear a terra.

Aos que ficam, as saudades e a responsabilidade de nutrir a flor do bem em nossos corações. Que Sebastião, este estimado Conselheiro, amigo, pai avô e bisavô, encontre nas graças de nosso Divino Mestre a paz de poder descansar em uma de suas moradas.

Leia aqui matéria a respeito do livro “O Milagre das Plantas”, de autoria do Conselheiro Sebastião Condé, publicada por este Blog em abril de 2007: O diploma do seu Condé, por Edson Lodi. 

O DMC do Núcleo Recanto das Flores (Ubá-MG) produziu um vídeo em homenagem ao Conselheiro Condé. Clique aqui e assista o vídeo no canal do Blog da UDV no YouTube.

11 respostas
  1. Jorge Amato Condé
    Jorge Amato Condé says:

    Meu querido Avô tinha bons exemplos, seu trabalho era de domingo a domingo, uma lida diária que era possível ser contemplada pela transformação nas paisagens por onde esteve presente e dedicou com suor e esmero o seu dia a dia. Um belo pomar, horta e criações bem cuidadas, recebíamos com fartura e abundância.
    Na sua lida diária ele sempre atendeu com atenção e de forma simples todos que chegavam em seu sítio, buscando um auxílio para com sua saúde, mesmo ocupado com seus afazeres ele parava e dava um atendimento a todas as pessoas. Vejo um homem que tinha a grande missão em fazer o bem, através de seu conhecimento com as plantas vinha auxiliando aqueles que lhe procuravam. Meu querido Avô, que o Senhor receba todo o bem que plantou em sua vida.

    Responder
    • Camila Alves Condé Borges
      Camila Alves Condé Borges says:

      Além de cultivar as plantinhas medicinais, Vô Condé era amigo dos animais. Tinha suas vaquinhas que eram mansas e ele até sentava em algumas (tinham nome de gente), os passarinhos comiam na mão dele.
      Guardaremos muito boas lembranças desse homem trabalhador e honesto, que chegou aos 70 anos de casado e ainda queria encontrar sua companheira na próxima vida.
      Que o divino Mestre o receba em uma de suas moradas.

      Responder
  2. Ivan de Souza
    Ivan de Souza says:

    Conheci “seu” Condé e D. Therezinha em 1996, ano em que cheguei na União. Do relacionamento e amizade com seus filhos, conheci-os e tive oportunidade de compartilhar momentos agradáveis. A generosa e compartilhada sabedoria acerca das plantas e da vida tornou-os parte importante na minha memória e coração. Sei que a Guarnição do Mestre os ampara e sustenta nesse momento de transição para quem fica e para ele que seguiu. Conforto para todos os familiares é o que desejo. “Seu” Condé transcendeu, de longa data, a individualidade e tornou o “Nosso” Condé.

    Responder
  3. Rosemeire Belo
    Rosemeire Belo says:

    Um bom jardineiro, plantou seu reinado e colheu seu legado. Seguindo na certeza de ter realizado o melhor que pode. Meus sentimentos aos familiares e irmandade do Núcleo Recanto das flores.

    Responder
  4. Antonia Torreão Herrera
    Antonia Torreão Herrera says:

    Gosto de história de homens exemplares. Não conheci Sr. Condé , mas posso ver a bondade e os bons princípios em seu semblante. Nossa religião nos ensina a reverenciar nossos ancestrais. Lembrei de meu pai e de seus valores.
    Boa homenagem da neta!

    Responder
  5. Rosa Sartori
    Rosa Sartori says:

    Linda história de vida! Belas palavras! Que a família encontre conforto e tenham sempre a referência desse homem que plantou o bem. Essa história traz muitos exemplos pra nós

    Responder
  6. Sandra Miranda Pereira
    Sandra Miranda Pereira says:

    Muito linda sua trajetória neste planeta! Gostaria de ter convivido com Sr.Conde.
    Através das netas, pude saber um pouquinho sobre este Senhor, simples, dedicado à família e à natureza!
    Receber o Vegetal das mãos do filho e seguir na União é um belo exemplo de humildade, amor e confiança!
    Cumpriu sua missão com os louros da vitória! Meus sentimentos aos familiares.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *