Inácia Romero do Nascimento: uma rosa no jardim da saudade

| 9 Março, 2021

Fabiana Campos Ferreira de Queiroz*

Dona Inácia Romero | Arquivo familiar.

“Num mundo que se faz deserto, temos sede de encontrar um amigo.”
Antoine de Saint-Exupéry

Começo este texto lembrando de uma história que o Mestre Gabriel costumava colocar nas Sessões e que traz uma forte mensagem sobre a amizade. Trata-se da história do Pequeno Príncipe. Assim como o príncipe da história, que se sente responsável e cativado por uma rosa, me senti cativada e criei laços de amizade com uma pessoa singular e especial que conheci numa dessas idas e vindas proporcionadas por esta força de fraternidade e irmandade presente na União do Vegetal. Essa pessoa, que vivia neste imenso jardim, cheio de flores e rosas, e que teve uma vida dedicada à família e contribuiu com sua presença nos Núcleos que frequentou, atendia pelo nome de Inácia Romero do Nascimento**, ou simplesmente dona Inácia.

Pessoa extremamente agradável, que adorava cuidar das flores, cultivava seu lindo jardim, que era sua inspiração, e assim vivia a sua vida, com simplicidade e leveza, sempre enxergando e percebendo a verdadeira beleza da vida. E, ao estar sempre próxima das flores, sabia, intrinsecamente, que aquele tempo de dedicação a suas rosas, a suas flores, ao seu jardim, foi o que fez dela um ser tão especial, semelhante ao citado na obra do Pequeno Príncipe, de Saint-Exupéry.

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”

Nunca tínhamos nos encontrado ou nos falado, mas, desde o primeiro momento, nasceu entre nós uma amizade sincera, que sei que continuará em outros tempos, pois a nossa jornada é extensa e repleta de encontros e reencontros, nos fazendo compreender que cada vez mais o que devemos fazer em nossas vidas é “desatar os nós e estreitar os laços”, como costumava dizer seu esposo e companheiro, Mestre Bartolomeu. Esses laços, se bem cuidados e conservados, nos servirão de abrigo e aconchego em outras existências.

Dona Inácia sempre foi uma mulher discreta, séria, mas com um semblante alegre, cativante. Ao lado de um grande homem, Mestre Bartolomeu, portou-se também como uma íntegra e grande mulher. Pessoa de grande valor que por diversas vezes abdicou de momentos familiares e pessoais para trabalhar por um bem maior, ao lado do seu marido, considerado um guia e um Mestre de tantas pessoas que necessitavam de atenção, orientação, apoio e amor.

Muitas dessas esposas, companheiras de Mestres, têm uma presença discreta, reservada e modesta, a exemplo de dona Inácia, que se mostrava sempre quieta, porém, ainda que sem chamar tanta atenção, estava presente e sempre pronta para auxiliar, dando conselhos, distribuindo sorrisos, espalhando amor e semeando bondade entre as pessoas que com ela conviviam. Essas virtudes, demonstradas nas longas e poucas conversas que tivemos, conquistaram minha amizade e cativaram o meu coração.

“Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos.”

Por ter um bom coração e enxergar as coisas com o sentimento, teve o privilégio de conhecer o Mestre Gabriel e descobrir que tinha encontrado o seu lugar. Esse encontro mudaria para sempre sua vida e a faria participar de momentos importantes, únicos e sublimes, como o início e a fundação do Núcleo Mestre Ramos, em Ariquemes, e do Núcleo Rei Inca, em Goiânia, onde sua presença contribuiu para iluminar a vida de muitas pessoas que ali chegaram.

Transmitindo tranquilidade e segurança, ao cuidar bem de sua família, auxiliou o Mestre Bartolomeu no cumprimento de sua missão, sempre com uma presença discreta e pacífica. Teve uma trajetória de vida bem trilhada, deixando marcas permanentes em seus familiares e também fazendo parte da história da nossa UDV.

E assim fez também com todos aqueles que viveram próximo dela, amigos, familiares e irmãos da União. Se dedicou, de alma e coração, ao seu marido, Mestre Bartolomeu, aos seus filhos Azilda Ellena Cordahi, Waldivino Romero do Nascimento e Reissalo, e aos netos Sammy e Ana Clara. Mostrou ser uma mulher de fibra e determinada, quando ainda jovem, aos 37 anos de idade, perdeu seu companheiro e teve de batalhar para criar seus filhos. Mesmo assim, continuou zelando e cuidando do lar, seu eterno jardim, com tanto amor e dedicação que sabe, onde estiver agora, que deixou plantada na terra bons, valorosos e valiosos frutos.

“A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixa cativar.”

Foi tudo isso que percebi dela desde o primeiro momento em que a conheci, numa das visitas ao Núcleo Príncipe Ancarilho, em Guarapari-ES. Naquela ocasião, conversamos muito e, daquele momento em diante, nasceu uma verdadeira e sincera amizade, que continuou regada por meio de palavras meigas e sinceras ou mensagens respeitosas e amorosas.

Por isso, sempre que ouço a história ou leio o livro do Pequeno Príncipe, lembro-me da irmã Inácia, de sua vida e de nossa amizade e, assim como ele, posso dizer também: “Aqueles que passam por nós não vão sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós”. Sei que ela deixou um pouco de si em muitos de nós e levou consigo muitas coisas de todos nós.

Aqui, por intermédio destas poucas palavras, fica minha eterna gratidão e singela homenagem a uma amiga muito especial que jamais sairá de minha memória, e que merece ser lembrada como uma mulher que desempenhou e cumpriu seu papel como amiga, esposa, mãe e, principalmente, discípula do Mestre Gabriel neste imenso jardim desta Obra Sagrada União do Vegetal.

*Fabiana Campos Ferreira de Queiroz é integrante do Corpo do Conselho do Núcleo Pau D’Arco e coordenadora do DMC da 10ª Região.

**Inácia Romero do Nascimento fez a passagem no dia 13 de janeiro de 2021, aos 71 anos de idade, em Vila Velha-ES. Inácia pertencia ao Corpo Instrutivo do Núcleo Príncipe Ancarilho, Guarapari-ES, 5ª Região da UDV.

Foto externa: chegada da família de Mestre Bartolomeu e d. Inácia em Goiânia-GO | Foto: Gilson Vargas.

38 respostas
  1. José Henrique matias.
    José Henrique matias. says:

    Que lindo relato da vida dessa valorosa Sra. Dona inácia, que Deus à tenha em um bom lugar, parabenizo a C. Fabiana Queiroz pelo belíssimo texto assim oportunidade eu e possivelmente tantos outros conhecer a linda história de dona Inácia, discípulo da União do vegetal que deixou sua semente plantada nesse lindo jardim, e que pela as sucessivas reencarnações que temos voltará um dia pra continuar fazendo o cultivo e colhendo os frutos que são as flores desse sagrado jardim. Viva mestre Gabriel em nossos corações.

    Responder
    • Alberto Santos Miranda
      Alberto Santos Miranda says:

      Que saudades! Lembro do derradeiro dia da minha vinda pra Europa lá no Núcleo Príncipe Ancarilho que tive o privilégio de trabalhar e conversar com essa querida irmã que doces palavras acalentou meu coração, pois foi um momento de despedida do meu querido Núcleo onde conheci o caminho da retidão! Gratidão!

      Responder
  2. Marcos Fabrício Ortiz de Lima.
    Marcos Fabrício Ortiz de Lima. says:

    Belíssima e singela homenagem a dona Inácia. Esse semblante sereno e tranquila
    não parece estranho pra minha pessoa. Mas, o que posso expressar nesse momento difícil pra familiares e amigos, uma forte ausência de uma pessoa querida, amada e respeitada por aqueles que realmente, reconheceram o trabalho prestado pelos primeiros irmãos. E a C. Inácia, pra mim é uma pequena demonstração de trabalho prestado pra UDV. Sou grato a Deus por essa oportunidade de expressar meu sentimento e reconhecimento à essa caríssima irmã Inácia Romero do Nascimento. Atenciosamente, Marcos Fabrício. (Corpo Instrutivo..Filiado Núcleo Mestre Pojó)

    Responder
  3. Anderson Alves
    Anderson Alves says:

    Bela homenagem à dona Inácia! Como diz a canção “a amizade sincera é um santo remédio” que conforta o coração até na dor da saudade. Saber que poderemos reencontrar os amigos e que a vida continua é um bálsamo diante da perspectiva da eternidade.

    Responder
  4. Gabriele Queiroz
    Gabriele Queiroz says:

    Muito bom poder conhecer um pouco mais da trajetória de pessoas tão importantes na história da UDV, como esse exemplo de vida, dona Inácia

    Responder
  5. JOÃO BOSCO QUEIROZ
    JOÃO BOSCO QUEIROZ says:

    Bom dia! Um texto que reflete a importância de cada rosa ou de cada flor desse imenso jardim, que é a União do Vegetal; e demonstra também o valor da amizade que devemos ter com nossos irmãos e irmãs. Num mundo praticamente materialista, alguns exemplos nos inspiram a refletir que ainda vale a pena cativar, se deixar cativar e criar laços. É esse exemplo que podemos extrair do belo e inspirado texto escrito pela C. Fabiana. Que possamos construir sólidas amizades nesta casa santa e sempre valorizar e reconhecer o valor dos nossos primeiros irmãos. Parabéns a C. Fabiana pelo texto e ao Blog da UDV por publicar parte da história de vida dos nossos queridos irmãos.

    Responder
  6. Ângela Pontes
    Ângela Pontes says:

    Bom dia me emocionei com o texto da Conselheira Fabiana. Palavras sinceras que enchem o coração de esperança em dias melhores por existir pessoas que fazem a diferença como dona Inácia fez na vida de tantos.

    Responder
  7. Breno Carvalho
    Breno Carvalho says:

    Belo reconhecimento. Não a conheci, mas pude perceber através do texto um pouco da pessoa de Dona Inácia. De certo, tem grande valor perante o Mestre Gabriel, por zelar por esse jardim!

    Responder
  8. Adriana Queiroz
    Adriana Queiroz says:

    Um texto que toca o nosso sentimento, nos possibilitando conhecer um pouco da história de dona Inácia, em especial a quem não teve a oportunidade de conhece-la pessoalmente! Muito importante esses ricos registros! Parabéns Conselheira Fabiana!”

    Responder
  9. João Victor
    João Victor says:

    Meus sentimentos a família e que bom que é quando uma pessoa deixa saudades quando vai pois isso mostra que o plantio dessa pessoa foi bom, senti isso nas palavras da C. Fabiana, belas palavras que demonstram a dedicação da Dona Inacia e a gentileza de uma bela flor da União, abraços fraterno a todos, LPA.

    Responder
  10. Adriana Queiroz
    Adriana Queiroz says:

    Um texto que toca o nosso sentimento, nos possibilitando conhecer um pouco da história de dona Inácia, em especial a quem não teve a oportunidade de conhecê-la pessoalmente! A ligação coma história do pequeno Príncipe, nos remete aos ensinos do nosso Mestre Gabriel, que nos ensina em cada gesto, em cada administração, e nos seus exemplos de vida, o exemplo de uma amizade! Parabéns pelo texto, Conselheira Fabiana, e ao blog por nos presentear sempre com essas pérolas! Muito importante esses ricos registros.

    Responder
  11. Elvio Costa
    Elvio Costa says:

    Bela homenagem e lindo texto.
    Conheci um pouco da história da D. Inácia, através dessas singelas e emocionantes palavras.
    Vamos zelar pelas rosas do nosso jardim, plantar sementes do bem e colher os frutos do nosso sonhar, amando, cuidando e se doando tambem.

    Responder
  12. Marília Calazans
    Marília Calazans says:

    Que texto mais singelo! Muito bom poder conhecer mais da história dos primeiros irmãos e ter bons exemplos para seguir. Grata a C. Fabiana pelas palavras e ao Blog por estar sempre promovendo relatos como esse.

    Responder
  13. Adriene Queiroz
    Adriene Queiroz says:

    Que homenagem linda à dona Inacia. Feliz em poder sentir, por meio das palavras da C. Fabiana, a importância dessa valorosa mulher, que plantou flores ao longo do seu caminho, cativando e cultivando amigos nesse jardim que é a Uniao do Vegetal. Que essa bela historia de vida seja um exemplo para todos nós, e que saibamos construir amizades sinceras nessa longa jornada de amor e união que estamos trilhando.

    Responder
  14. Azilda Cordahi
    Azilda Cordahi says:

    Sou grata a C. Fabiana pela singela e sincera homenagem à minha amada mãe Inácia. A senhora conseguiu descrever de uma forma simples e verdadeira a sua forma bonita e admirável de ser e sua personalidade através do carinho e amizade que desenvolveram uma pela outra. Mamãe sempre me falou bem da senhora e tinha se programado pra ir visitá-la no Nordeste algumas vezes…. Estava em seus planos.

    Mamãe era mesmo assim, uma rosa perfumada pelas flores que amava e cultivava. Pessoa simples, na dela, tímida, mas de uma força interior extraordinária, uma humanidade em relação a natureza, animais, crianças e pessoas menos favorecidas. De uma generosidade e bondade de coração, doçura, afeto, dedicação aos filhos, netos e amigos a quem queria bem. Pessoa que descobriu o amor pela fotografia da natureza, das flores e crianças num passado recente.

    Tinha uma natureza alegre, meiga e brincalhona com os mais íntimos. Teve uma trajetória de vida, nem sempre fácil, desde a infância e adolescência, mas sua fortaleza interior sempre a fez persistir e superar as dificuldades que encontrou com a fé e otimismo por dias melhores. Amava a vida, a natureza e, acima de tudo, seus filhos e netos.

    Foi uma mãezona dedicada, carinhosa e amiga de todas as horas. Uma amiga atenciosa e fiel de muitos. Sempre nos passou alegria de viver, tranquilidade, serenidade e confiança no Poder Superior. Sua espiritualidade e reverência ao Divino Deus eram sua fonte de resistência e gratidão. Como ela dizia: ” EU sou grata a Deus por tudo nessa vida. Mesmo pelas coisas que não foram tão boas, pelos momentos difíceis e de APRENDIZADO, eu dou graças a Deus.”

    Com certeza cumpriu honrosamente seu papel de mãe, esposa, companheira e amiga.
    Deixou em nós, filhos seus, um profundo amor e uma saudade imensa.
    Mãe amada, que estejas em Paz em uma das moradas celestiais.
    Que nosso Grande Mestre nos traga a todos o conforto aos nossos corações doloridos pela dor da saudade da sua partida que é correspondente ao tamanho do amor que cativou em nós. Que a nossa Virgem Mãe Santíssima nos ampare e nos dê a força pra continuar sem a sua presença física, doce e amiga, até um dia podermos nos encontrar novamente.

    Saudades eternas, mãe querida.

    Gratidão a todos os amigos e irmãos pela presença e, carinho, suporte emocionai e conforto que tem nos proporcionando nesse momento de dor.

    Gratidão.
    Ellena, Waldivino, Reissalo e famílias.

    Responder
    • Fabiana Queiroz
      Fabiana Queiroz says:

      Que lindo relato minha querida! Que bom que sua mãe está recebendo todas as flores plantadas e vai continuar recebendo pois a vida continua sempre! Grata pelas palavras. A amizade da sua mãe por mim era e é, recíproca! Espero um dia poder receber você aqui em Caruaru. A amizade é extensiva a toda família de vcs! Que a Virgem Maria esteja sempre na sua vida te confortando pois quem teve uma mãe amorosa e foi um bom filho tem felicidade na vida! Que a memória dela esteja sempre em seu coração te confortando com Luz, paz e amor e que nosso grande Mestre te ilumine. Um grande abraço apertado. Com amor, Fabiana

      Responder
  15. Alysson Bastos Sena
    Alysson Bastos Sena says:

    Muito bom podermos conhecer a trajetória daqueles que contribuíram com o início da nossa religião. O exemplo dessa senhora conselheira nos ensina e cativa cada vez mais de vivermos em união. Gratidão aos que criaram essa ferramenta de conhecimento para quem quer conhecer. Belíssimo texto. Luz Paz e amor. Alysson Sena- N. Caupuri

    Responder
  16. Olinto
    Olinto says:

    Conheci D. Inácia poucos dias antes de ela adoecer. Ainda deu tempo de ouvir as risadas dela se divertindo com minhas longas conversas com Ellena. Acompanhei desde o primeiro dia de internação e todos os dias estava próximo da Ellena, de quem sou muito, muito amigo. Sofri com ela e orei todos os dias. Deus sabe o que faz.

    Responder
  17. Claudia Labiapari
    Claudia Labiapari says:

    Que bela homenagem!
    Gosto quando são trazidas as histórias das primeiras irmãs… são por esses relatos que tenho a oportunidade de conhecê-las, hoje fiquei sabendo um pouquinho de D. Inácia, mais uma flor deste Grande Jardim Florido.
    C. Fabiana, grata por essa iniciativa. Abraços!

    Responder
  18. Augusto Chalegre
    Augusto Chalegre says:

    Bela e emocionante homenagem. Que bom é poder conhecer a história de pessoas que souberam deixar seu exemplo de vida como legado para um mundo melhor. Parabéns à C. Fabiana e ao Blog por registrar aqui a memória de D. Inácia, que merece nossa gratidão e reconhecimento.

    Responder
  19. Aline Carolina de Freitas
    Aline Carolina de Freitas says:

    Que belo texto da C. Fabiana nos trazendo uma pouco da história de uma dessas mulheres de fibra que fazem parte da história da União pelos seus exemplos de dedicação a obra e a família.

    Responder
  20. Leonel Graça Generoso Pereira
    Leonel Graça Generoso Pereira says:

    Tive a alegria de ter um convívio intenso com a família do M Bartolomeu no início do Núcleo Rei Inca, quando visitei aquela irmandade com frequência. E ficou uma amizade que perdura até hoje, principalmente com a Azilda Helena e a Dona Inácia. Soube de seu desencarnamento por este texto. Mas, na última vez que nos encontramos, aqui em Brasília, a amizade e o carinho eram os mesmos. Uma pessoa doce e mansa, que plantou um belo jardim ao longo de sua existência. Que o Mestre a acolha para o lugar que merece.

    Responder
  21. Reissalo e Ludmyla
    Reissalo e Ludmyla says:

    Que texto sensível e belo para homenagear nossa amada mãe, sogra e avó Inácia. Ficamos muito felizes com tanto carinho e afeto bom!
    Com nossos corações sempre agradecidos.
    Abraços Reissalo, Ludmyla e Ana Clara

    Responder
  22. Julia Lemos
    Julia Lemos says:

    Mesmo quem não a conhecia, através desse texto, pode perceber e sentir o quão doce, amorosa e cativante Dona Inácia era! Acho muito importante o registro e a homenagem merecida à essas pessoas que fazem parte do início da história dessa Sagrada União! Belíssimo texto que traz algumas grandes lições e que reafirma que “a União é uma fábrica de fazer amigos”! Justa homenagem à uma senhora que de certeza deixou suas marcas por onde e em quem cativou! Grata pelo texto e pela percepção sensível ao escrever, C. Fabiana Queiroz!

    Responder
  23. Luiz Guilherme Nascimento
    Luiz Guilherme Nascimento says:

    Eu pessoalmente também tive a felicidade de poder conviver com essa querida amiga em seu lar, com seus filhos. E puder constatar o quanto ela sabia cativar as pessoas com muito humor e alegria. Também tiver o prazer de estar presente neste momento descrito pela Conselheira Fabiana no Núcleo Príncipe Ancarilho. Foram momentos de alegria e muita emoção.

    Responder
  24. Maria Evelyn Carneiro Ramos
    Maria Evelyn Carneiro Ramos says:

    Linda homenagem!!
    Sempre bom conhecer histórias de pessoas que deixaram seu legado florido na passagem pela União, como D. Inácia.
    Gratidão à C. Fabiana, como também ao Blog da UDV.

    Responder
  25. Maria Teresa Reis Pires
    Maria Teresa Reis Pires says:

    Que palavras lindas acabo de ler ,relatos de uma rosa para outra rosa, exatamente como me senti qdo partiu minha amada mãe, saudades que não se finda , é o amor de Deus por nós.Que pena não ter conhecido essa flor de pessoa, já sinto um bem querer por ela,de tão amada pelos filhos que criou ,que certamente a carregam consigo.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta para João Victor Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *