Conselheira Guiomar, Zeladora dedicada e amorosa na UDV

Ana Maria de Lima Souza*

| 07 Fevereiro, 2020

Quando muito jovem, ouvia meus velhos dizerem provérbios, entre eles: “nos pequenos frascos estão os melhores perfumes”, “tamanho não é documento”, e, é claro, pouco entendia. Mas o tempo passa e as experiências vêm nos favorecendo a compreensão desses “ditos” que falam do valor do simples, da beleza interior… Mas para que fazer menção a provérbios? Neste caso, para falar de uma pessoa singular. Pequena como um frasco que guarda um bom perfume. Seu nome? Maria Guiomar Pereira da Cunha, a Conselheira Guiomar, ou simplesmente Guiomar, ou ainda, para o seu companheiro, Mestre Pernambuco, “Diomar”.

Essa mulher nasceu na cidade de Pacoti, no Estado do Ceará, em 15 de dezembro de 1940. Conforme contava, entre seus 13 e 14 anos de idade o Mestre Gabriel se apresentou para ela e uma irmã, lá no Ceará, por ocasião de estarem indo à missa. Disse-lhe o Mestre que se preparasse, pois em breve faria uma longa viagem.

Nos idos de 1955, nos seus verdes quase 15 anos, na companhia de um senhor por nome Antonio, chegou às terras da Amazônia, e em seguida conheceu o Senhor Francisco Lourenço, o Chico Lourenço, com quem passou a viver nos seringais e de quem recebeu o primeiro copo de Vegetal.

Em 1960, no seringal, conheceu o Mestre Gabriel. E ao vê-lo, reconheceu aquele que profetizou sua longa viagem que se constituiu em uma nobre missão, tornar-se uma discípula do Mestre sem nunca perdê-lo de vista.

De acordo com Zezinho (Mestre José Cunha, filiado no Núcleo Mestre Elias, em Sidrolândia-MS e filho de C. Guiomar), Guiomar teve quatro filhos que não chegaram a nascer (abortos) e mais: José, Josenias, Marlene, Maria, um cujo nome não foi citado por ela (Guiomar), José Pereira Cunha, Elizete, Pedro Celeste, Izaura, Francisco, Antero, Cosma, Damiana e Ana Beatriz.

Mulher pequena, era de baixa estatura, porém forte, corajosa. Durante o tempo em que viveu nos seringais na companhia de Chico Lourenço enfrentou a dureza da vida na floresta, como conta Getúlio Gabriel (filho mais velho de Mestre Gabriel). Quando Chico Lourenço saía da colocação (área delimitada dentro de um seringal a cargo de um seringueiro), ela ficava sozinha com os filhos e cortava seringa.

Conselheira Guiomar e Mestre Pequenina | DMC/Sede Geral.

Residência do Mestre

Em 1969, chegou à residência do Mestre Gabriel, em Porto Velho (RO), conforme Getúlio Gabriel, com os filhos e grávida. Ficaram hospedados pela família do Mestre por alguns meses. Em virtude de alguns acontecimentos decidiu separar-se do Chico Lourenço, mas continuou residindo com a família do Mestre Gabriel até o ano de 1971, quando, após a metade do citado ano, iniciou sua vida conjugal com o Mestre Pernambuco, com quem viveu até o desencarnamento dele.

Guiomar por muitos anos foi a Zeladora da Sede, e Mestre Pequenina era a Organ. Cabia à Zeladora cuidar da limpeza do espaço físico. Mesmo quando da vinda da Sede Geral para o seu espaço próprio, Templo José Gabriel da Costa, em julho de 1973, Guiomar continuou a exercer a função de Zeladora da Sede até o ano de 1982 quando da transferência desta para Brasília.

E continuou o trabalho de Zeladora, então no Núcleo Mestre Gabriel (sede histórica). Trabalho que fez com dedicação e alegria até meados de 1985, quando se iniciou o rodízio do cargo de Organ. Mesmo sem ter mais sob a sua responsabilidade a limpeza do templo, como morava na quadra, sempre estava cuidando dos muitos pés de Chacrona distribuídos em volta do templo, e disposta a auxiliar nos trabalhos de limpeza.

Assim, essa pessoa simples, porém generosa, alegre, viveu a sua vida como mulher, mãe, companheira, discípula do Mestre Gabriel, até a data de 4 de novembro de 2001, dedicada a zelar pelo templo da Sede Geral e do Núcleo Mestre Gabriel.

À nobre Conselheira Guiomar o nosso reconhecimento por ter nos ensinado a respeito do amor, da dedicação e da gratidão, mesmo que de modo silencioso, discreto, na sua simplicidade, foi nas suas ações que nos ensinou.

*Ana Maria de Lima Souza é integrante do Corpo do Conselho do Núcleo Mestre Gabriel (Porto Velho-RO).

16 respostas
    • Harldo silveira
      Harldo silveira says:

      Que bela lição de vida! Conselheira Guiomar construiu e deixou para todos nós a sua história, construida com dedicação, simplicidade e amor. GRATO.

      Responder
  1. Marcelo Ferreira de Lima
    Marcelo Ferreira de Lima says:

    É uma alegria saber mais dos primeiros irmãos da UDV, principalmente daqueles que não estão mais aqui para contarem a sua história.Temos a grata satisfação de ter aqueles — e aquelas, que nos transmitem com fidelidade importantes biografias, como esta de C. Guiomar, relatada através da C. Ana Maria que vem, desde os idos de 70, acompanhando estes pioneiros do Centro.

    LPA.

    Marcelo Lima
    N. Encantos da Natureza. Patrocínio/MG. 8a R.

    Responder
  2. Railuz Lima
    Railuz Lima says:

    Belíssimo texto, um relato valoroso que nos traz pra uma reflexão, da verdadeira importância de sermos todos zeladores da obra do Mestre.
    Grato por compartilhar este belo registro C. Ana Maria.

    Responder
  3. Karina Lima
    Karina Lima says:

    C. Ana, que belo depoimento, belas palavras! Grata pela oportunidade de nos apresentar um pouco da história de vida desta pessoa tão valorosa que se liga à história do Mestre e desta grande obra!

    Responder
  4. Kennedy Saldanha
    Kennedy Saldanha says:

    Gratidão, C. Ana Maria, por trazer a luz a memória de tão singular benfeitora na construção de nossa história. Viva a C. Guiomar, mais uma cearense enquanto pilar desta construção contínua que é a UDV.

    Responder
  5. ALINE CAROLINA DE FREITAS
    ALINE CAROLINA DE FREITAS says:

    C. Ana Maria com suas boas palavras trazendo esse reconhecimento a C. Guiomar. Grata por esse singelo relato que me trouxe a oportunidade de conhecer um pouco mais dessa simples e dedicada senhora.

    Responder
  6. Erika Madelaine
    Erika Madelaine says:

    Grata mais uma vez a equipe do Blog e a Conselheira Ana por este relato que nos faz cada vez mais ser gratos ao nosso Mestre por sua existência entre nós, nos mostrando a riqueza da simplicidade e o valor da dedicação a esta obra santa.

    Responder
  7. Ana Maria Paz
    Ana Maria Paz says:

    Conselheira Guiomar, uma senhora educada, carinhosa, humilde, de um coração nobre. Grata, Conselheira Ana, pelo carinho dedicado à Conselheira Guiomar. Eu a tinha um carinho por ela.

    Responder
  8. Rayssa Carvalho
    Rayssa Carvalho says:

    Bela forma de valorizar a história de pessoas que fazem parte desta obra e nos ensinam a zelar e a ter simplicidade. Grata, C. Ana, pela riqueza de detalhes e pela disposição em partilhar do que a senhora pôde presenciar desde que chegou na União.

    Responder
  9. Renato Barbosa
    Renato Barbosa says:

    Tive a oportunidade de tomar café na casa deles , M Pernambuco e Cons Guiomar , numa bela tarde do mês de julho . Ficamos algumas boas horas conversando a respeito deles e do M Gabriel . Saudades !!!
    Bela e merecida homenagem num texto rico e muito bem escrito !!!
    Grato !

    Responder
  10. Francinete Giffoni
    Francinete Giffoni says:

    C.Guiomar lembra bem o início da União do Vegetal. Gratidão por sua dedicação. Veio auxiliar à Mestre Pequenina nos trabalhos da Organ. E seguiu sua caminhada de Conselheira com amor e alegria.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta para Eduardo Roizen Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *