Mariri e Chacrona

Cipó Mariri utilizado no preparo do Chá Hoasca. Foto: DMD/SG.

Mariri

O cipó Mariri (Banisteriopsis caapi) e o arbusto da Chacrona (Psychotria viridis) são plantas nativas da Floresta Amazônica e utilizadas pelo Centro Espírita Beneficente União do Vegetal na preparação do Chá Hoasca, que seus sócios bebem para efeito de concentração mental. Há muito tempo, essas duas plantas são utilizadas por povos da região amazônica em rituais religiosos e de cura, fazendo parte de suas culturas. A Chacrona foi identificada cientificamente no final do Século XVIII; o Mariri em meados do Século XIX.

PRESERVAÇÃO DO MARIRI E DA CHACRONA 

A preservação dessas plantas e a autossuficiencia em sua produção, é um objetivo essencial da União do Vegetal. Elas são cultivadas em plantios da União do Vegetal em diversas regiões do Brasil. Esse trabalho é feito com técnicas de manejo e cultivo que respeitam e preservam o meio ambiente, utilizando princípios agroecológicos.

A União do Vegetal tem um departamento de plantio e cultivo de Mariri e Chacrona e conta com a Central de Formação de Plantadores e Zeladores de Mariri e Chacrona, em São João da Baliza (RR), que promove cursos para capacitação dos seus voluntários. Está constituindo também um banco de matrizes que visa a preservação da integridade genética das diferentes espécies e variedades das duas plantas espécies.

Folha da Chacrona utilizada no preparo do Chá Hoasca | Foto: DMC/SG

NOVO ENCANTO

Para a preservação e plantio das duas plantas utilizadas no preparo do Chá Hoasca, a União do Vegetal conta com a parceria da Associação Novo Encanto de Desenvolvimento Ecológico. É uma organização brasileira, sem fins lucrativos e qualificada, em 2010, como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público). A associação foi criada por sócios da UDV e se originou devido à aquisição do secular Seringal Novo Encanto, na fronteira do Amazonas com o Acre.