Núcleo João Lango Moura inteira 35 anos

Mayko de Souza Aguiar*
Jean Carlos Freire Lima**

Grupo de irmãos reunidos em frente ao Templo do Núcleo João Lango Moura, em 23/06/1981 | DMD/NJLM.

No dia 21 de maio do corrente ano, comemoramos o aniversário de 35 anos de fundação do primeiro Núcleo da União do Vegetal no Acre, o João Lango Moura. Porém, a história da União do Vegetal no Acre começou bem antes, em meados de 1969, quando o senhor Luiz Máximo Chaves, fundador do Núcleo João Lango Moura, foi para Porto Velho-RO, desenganado pelos médicos em busca de sua saúde.

Em Porto Velho, encontrou-se com o Mestre Raimundo Pereira da Paixão (Mestre Paixão), que o levou para conhecer o Mestre Gabriel e, após contar a sua história, ouviu do Mestre Gabriel a seguinte frase: “Deu para chegar até aqui, dessa você não morre mais”. Estas palavras elevaram a sua esperança e deram à ele a certeza de que teria todo apoio que precisava para recuperar sua saúde.

                     Clique aqui e acesse a Galeria de Imagens do Núcleo João Lango Moura

Luiz Máximo recuperou a saúde, conviveu por um bom tempo em Porto Velho e, em 1971, decidiu voltar ao convívio de seus familiares em Rio Branco (AC). Então, pediu ao Mestre Gabriel uma garrafa com Vegetal, que disse: “Seu Luiz, pegue, leve, beba e dê pra quem você quiser”.

Os primeiros irmãos

Assim começou a história da UDV no Acre, que assemelha-se com a história do Núcleo João Lango Moura e de seu patriarca Luiz Máximo. Com a autorização verbal dada por Mestre Gabriel, Luiz Máximo realizava as sessões sozinho em sua casa até que começaram a chegar os primeiros irmãos.

Alberto Furtado foi o primeiro a chegar. Depois chegaram os discípulos José Alexandrino de Oliveira; Aquiles da Cruz; Odaiza Alexandrino de Oliveira Chaves (já esposa de Luiz Máximo); Januário Alexandrino de Oliveira; Antônia Alves da Silva; Antônio Ribeiro; Pedro Ribeiro; Francisco Suez Chaves da Cruz; Francisca Soares da Silva; José Airton Gutierrez do Nascimento; Raimundo Alexandrino; Maria Clarice; Carlos Ribeiro; Laurindo Alves da Costa e Otilia Alves de Oliveira e outros.

Como o Vegetal ainda não era preparado em Rio Branco, Luiz Máximo precisava ir buscá-lo na Sede Geral, ainda em Porto Velho, em viagens pela estrada que duravam vários dias. Até que o Mestre Raimundo Carneiro Braga (Mestre Braga), então Mestre Geral Representante da UDV, pede a ele compre um galão de 10 litros e autoriza que traga-o cheio na quantidade necessária – sendo esse um importante auxílio no desenvolvimento do trabalho.

Um lugar definitivo

Com a chegada de mais irmãos, a casa do seu Luiz Máximo não conseguia mais abrigar a todos e então passaram a realizar as sessões na Fazenda Varandão, de propriedade de Luiz Máximo, iniciando-se lá o projeto de ter um lugar definitivo para realizar as sessões. Nesta fazenda, os primeiros discípulos tiveram a ideia de tirar laranjas para vender e arrecadar recursos com os quais compraram os três primeiros lotes de terra de 30×10 metros na Estrada do Mutum, onde está localizado hoje o Núcleo João Lango Moura. A Fazenda Varandão era um lugar de muita alegria e com sessões memoráveis lembradas por todos que participaram.

Os lotes foram comprados na zona rural em uma área sem estrada de acesso, água encanada e energia elétrica – os irmãos utilizavam lampião para clarear o ambiente. Lá, com muita luta e determinação, foi construído o Templo de madeira que pouco tempo depois começou a ficar pequeno para a quantidade de irmãos.

Mesmo com tantas dificuldades, poucos recursos, perseguição e discriminação, a alegria e a mesa farta eram constantes nos encontros daqueles irmãos visionários que buscavam o seu aprimoramento e trabalhavam por dias melhores.

Mestre José Carvalho e o apoio do Núcleo Caupuri

Aproximadamente em 1977, o então Conselheiro José Florêncio de Carvalho (hoje mestre José Carvalho), do Núcleo Caupuri (Manus-AM), que bebia Vegetal com sua família em Rio Branco, auxilia no processo de organização administrativa da UDV no Acre, conseguindo autorização do Núcleo Caupuri para ceder o número do Cadastro Geral dos Contribuintes (CGC) à Distribuição de Vegetal e trazendo também os Estatutos da UDV para serem lidos nas sessões – o que trouxe mais tranquilidade para a irmandade, que ainda era alvo de constantes investigações por parte de autoridades policiais.

Inauguração do Templo

Em 17 de novembro de 1979, o sr. Luiz Máximo recebeu a estrela de Mestre entregue pelo Mestre Braga e, em 21 de maio de 1981, houve a transformação de Pré-Núcleo para Núcleo. O templo de madeira foi inaugurado em 23 de junho daquele ano e oficializada a primeira diretoria do Núcleo com a seguinte composição: Presidente: José Airton Gutierrez do Nascimento; Vice-Presidente: Alberto Furtado de Oliveira; Primeiro Secretário: Januário Alexandrino de Oliveira; Segundo Secretário: José Alexandrino de Oliveira; Primeiro Tesoureiro: Luiz Gonzaga Alves Filho; Segundo Tesoureiro: José Marcio de Araújo Rodrigues; Orador Oficial: Antonia Alves da Silva; Conselho Fiscal: Manoel da Cunha Lima, José da Silva Rodrigues e Hiolanda Hojjmann Martins.

Em visita ao Núcleo João Lango Moura no ano de 1983, e constatando que o templo de madeira já estava pequeno para a quantidade de sócios, o Mestre Florêncio Siqueira de Carvalho (Mestre Florêncio), na época Mestre Central, orientou para que fosse construído um lugar maior e mais confortável para as sessões. Seguindo a orientação recebida, homens e mulheres trabalharam muito e construíram o templo de alvenaria em 28 dias. Recebendo auxílio de muitos irmãos e arrecadando recursos com a venda de bolos, rifas e outras atividades em feirinhas e em espaços públicos de Rio Branco, o templo foi inaugurado em 23 de junho de 1983, quando Mestre Florêncio retornou à Rio Branco.

Diversos foram os Mestres e irmãos que auxiliaram no começo desta história. Entre eles, destacam-se o Mestre Paixão (que foi a primeiro a vir a Rio Branco e sempre que possível passava diversos dias ensinando os irmãos a trabalhar com o Vegetal), o Mestre Braga, o Mestre Francisco Herculano de Oliveira (Mestre Herculano) e os mestres Luís Maciel da Costa (in memorian) e Luiz Gonzaga Alves, que auxiliaram o mestre Luiz Máximo por longos anos.

Núcleo pai da 7ª e 17ª Regiões

O Núcleo João Lango Moura é considerado o pai destas regiões. Deste Núcleo nasceram os outros Núcleos e Distribuições de Vegetal da 7ª e na 17ª Regiões Administrativas da UDV. Essas duas regiões são formadas por  18 Núcleos e Distribuições, sendo 16 no Acre, um em Extrema-RO e outro no Envira-AM e aproximadamente 1.600 sócios.

O Núcleo também está presente na expansão da UDV nos Estamos Unidos. Alguns irmãos norte-americanos beberam o Vegetal no Núcleo João Lango Moura e inicialmente alguns deles foram sócios do Núcleo. Os mestres Luiz Gonzaga e Luiz Maciel participaram da primeira sessão da UDV realizada nos EUA. Foi também por meio de sócios do Núcleo João Lango Moura que foi feita a aquisição do Seringal Novo Encanto, uma área de 8.125 hectares situada no município de Lábrea-AM na fronteira com o Acre. Pela necessidade de preservação desta área, se originou a Associação Novo Encanto de Desenvolvimento Ecológico.

Mestre Adamir

Nestes 35 anos, muitos mestres, conselheiros e discípulos deram grande auxílio para manter e melhorar as instalações do Núcleo e contribuíram para formação espiritual e familiar dos irmãos que por aqui passaram. Cabe destacar também o trabalho do Mestre Francisco Adamir de Lima (Mestre Adamir), que veio para Rio Branco em um período muito difícil para a irmandade e, com seu jeito simples de ser e de cativar, auxiliou a equilibrar novamente os irmãos. Mestre Adamir foi um bom pastor neste Núcleo sendo, ainda nos dias de hoje, reconhecido constantemente por esta irmandade.

Atualmente o Núcleo João Lango Moura possui 13 sócios no Quadro de Mestres, 38 no Corpo do Conselho e um total de 136 sócios, tendo como Mestre Representante o mestre Jeniscan Oliveira da Costa. Nos dias 20 e 21 de maio, o Núcleo João Lango Moura sediou o 17º Encontro da Direção da 7º Região e contou com a presença do Mestre Geral Representante, Clóvis Cavalieri, conselheira Célia Carvalho, Mestre Braga, conselheira Dionéia, Mestre Herculano, conselheira Ritinha, mestre José Roberto, mestre Antonio, mestre Adolfo Mura, conselheira Glorinha, mestre Tadeo Feijão e os mais de 600 irmãos presentes nas comemorações de seu 35º aniversário. Na ocasião, o Núcleo também recebeu uma moção de aplausos da Assembleia Legislativa do Acre por seus relevantes serviços prestados ao longo de sua existência à sociedade acreana.

Assista abaixo o vídeo produzido pelo Departamento de Memória e Documentação do Núcleo João Lango Moura em homenagem aos 35 anos do Núcleo:


*Integrante do Quadro de Mestres do Núcleo João Lango Moura e Coordenador Regional da Diretoria Geral na 7ª Região
**Integrante do Corpo do Conselho do Núcleo João Lango Moura e Monitor Local do Departamento de Memória e Documentação (DMD) do Núcleo João Lango Moura.

13 respostas
  1. Manoel Augusto Santos Reis
    Manoel Augusto Santos Reis says:

    Muito me alegra e emociona ao ver os depoimentos do mestre Luiz Maximo e os outros fundadores do Núcleo João Lango Moura. Para quem encontrou este caminho de Luz, Paz e Amor e vem acompanhando o crescimento desta Obra UDV, vendo os frutos de hoje, só tem é que ser grato a estes primeiros irmãos. Meu abraço fraterno à todos por esta data.

    Responder
    • Carlos Pontes
      Carlos Pontes says:

      Parabéns ao Núcleo João Lango Moura e a toda irmandade que vem contribuindo para seu crescimento e e crescimento da União do Vegetal como um todo!

      Responder
  2. Ilka Castro
    Ilka Castro says:

    Toca o coração conhecer a história de como a UDV, confirmando a palavra do Mestre Gabriel, se planta pelo nosso país e pelo mundo. E a criação de um novo núcleo é também um novo Ponto de Luz. É a presença de nosso amado Mestre trazendo a clareza, a orientação e a doutrina para encaminhar o ser humano ao conhecimento e assim poder saber qual é o real sentido da vida e seu verdadeiro lugar.
    Que a direção do Núcleo João Lango Moura continue unida e perseverante nessa missão de Clarear a Humanidade.
    “Viva o Mestre Gabriel “

    Responder
  3. SocorroAlencar
    SocorroAlencar says:

    Excelente trabalho do DMD. Fico um tanto feliz pela realização deste trabalho tão sonhado.Parabéns à toda irmandade do Núcleo João lango Moura.

    Responder
  4. lenilson
    lenilson says:

    Viva, parabéns a todos e em especial ao mestre Luiz Maximo! Esta história sempre toca meu coração. Um dia conhecerei vocês.

    Lenilson S. de Oliveira;
    N Flor Divina / Fortaleza -CE.

    Feliz em ter conhecido o mestre Januário aqui em Fortaleza e sua esposa e filho. LPA

    Responder
  5. Adriana Rocha
    Adriana Rocha says:

    História bonita e emocionante. Fui bem recebida neste núcleo e conheci pessoas de grande valor! Um abraço fraterno a toda irmandade do Núcleo João Lango Moura.

    Responder
  6. Jean Bonazoni
    Jean Bonazoni says:

    Meu reconhecimento pelo belo resgate histórico, belo texto. Fui mais um entre tantos irmãos beneficiados neste núcleo marcante na história da UDV no Brasil e no exterior. Como bem diz o texto, por ali passaram irmãos visionários, tal qual os mestres Luiz Maciel e Luiz Gonzaga, pioneiros da Novo Encanto Ecologia. Prosperidade a todos nessa irmandade querida!!!

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *