Manoel Nogueira: um homem de fibra e de bons exemplos

Teodoro Irigaray*

| 30 dezembro 2017

Mestre Manoel Nogueira, um homem de fibra e bom legado deixado na União do Vegetal | DMC/Sede Geral.

Hoje, Manoel Nogueira da Silva estaria completando 71 anos. Filho de pais cearenses, nasceu em Belém do Pará, em 30 de dezembro de 1946. Chegou à União do Vegetal no ano de 1965, aos 18 anos, e cedo se destacou pela facilidade de memorizar os ensinos e chamadas, galgando rapidamente os degraus da UDV. Participou do primeiro concurso para Mestres promovido pelo Mestre Gabriel e foi aprovado, recebendo o título de Mestre pela Memória.

Em 1969, mudou-se para Manaus (AM), onde, em 1976, ocupou a Representação do Núcleo Caupuri por dois mandatos, até 1980. Regressando a Porto Velho (RO), ocupou o cargo de Mestre Geral Representante, de maio até outubro de 1982.

Em Boa Vista (RR), foi fundador e Representante do Núcleo Estrela do Oriente (1984-1988). Em 1988, fixou-se em Brasília e foi designado Mestre Central da 5a Região. Também foi Representante do Núcleo Gaspar (1991-1994), Mestre Central da 8ª Região (1994-1995 e 1996-1998) e da 4ª Região (1995-1996).

Eleito Mestre Geral Representante, Mestre Manoel Nogueira iniciou o mandato em 6 de janeiro de 1997. Na época, foi instituído o cargo de Mestre Assistente do Mestre Geral Representante e Mestre Manoel Nogueira designou para essa função o Mestre Clovis Cavalieri Rodrigues de Carvalho (que hoje é o atual Mestre Geral Representante da UDV).

Arquivo de família.

Exemplo de simplicidade

Mestre Clovis lembra-se com carinho do amigo, com quem tinha muitas coisas em comum: “Aprendi muitas coisas com ele e, até hoje, lembro-me com certa constância da sua pessoa e da forma como ele se manifestava nas diferentes situações da nossa vida na União. Pessoa de bom caráter, respeitador da família e muito preciso nas suas observações. Existem momentos na caminhada em que sinto como seria bom se ele ainda estivesse conosco. Mas temos que respeitar a vontade do nosso Pai Celestial e esperar que um dia possamos nos encontrar e nos reconhecer novamente. Quem sabe ele já está entre nós. Que assim seja!”

Da mesma forma que Mestre Clovis, Mestre Manoel posicionava-se favorável a uma administração descentralizada, ressaltando que a distribuição de tarefas tinha que ser acompanhada da supervisão.

Defendia que a expansão da UDV deveria ser “progressiva, sem pressa”, e acompanhou o início desse processo com a chegada da UDV aos EUA e à Europa, observando que os princípios da UDV são universais: “Somos todos irmãos, cada um com seu grau de compreensão, sua cultura, não importa o país. Temos que ter paciência para sensibilizar as pessoas, sem impor goela abaixo as mudanças. Elas chegam pela compreensão, pela luz do Vegetal.”

Considerava que o desafio da UDV era crescer sem perder a simplicidade. Ele próprio era um exemplo de simplicidade, um homem humilde que não media esforços para servir à União.

Firme na doutrina

Conheci Mestre Manoel Nogueira em janeiro de 1991, quando, chegando à UDV, visitei o Núcleo Gaspar. Em 1995, recebi a Representação do Núcleo Breuzim (Cuiabá-MT). Ainda inexperiente, recebi dele o apoio e testemunhei a grandeza do servir, vendo-o inúmeras vezes deslocar-se de carro, por estradas esburacadas, no trecho Brasília-Cuiabá (1.300 quilômetros), para levar orientação e ensinar como se conduzir na União.

Mestre Manoel Nogueira era firme na transmissão da doutrina e nas correções, quando necessárias, sem reservas ou “arrudeios”. Nesse sentido, sustentava que “quem erra em público deve ser corrigido em público”. Embora sua maneira de ser passasse para alguns uma imagem de dureza, era uma pessoa fraterna e amigo leal.

Com frases objetivas e pontuais, demonstrava a inteligência e perspicácia de um caboclo com pouca escolaridade, ensinando a letrados que “a lógica é o óbvio”. Orientava também que “o óbvio precisa ser dito.”

Ao se defrontar com situações lamentáveis, exclamava em alto e bom som: “Realmente…. é o píncaro!”

Plantio

Na Representação Geral, vendo o crescimento da UDV, Mestre Manoel Nogueira afirmava que tínhamos que plantar “para não passar vexame”. Iniciando uma mobilização para aquisição de terra com o objetivo de plantar Mariri e Chacrona, colocou o plantio como uma prioridade na União, diretriz que se mantém até hoje.

Em sua vida profissional, teve que cruzar algumas barreiras. Mas demonstrou que a força do trabalho honrado engrandece e dignifica o homem, jamais se descuidando de zelar por esta Obra que tanto amou.

Desencarnou em 1998, quando ainda ocupava o cargo de Mestre Geral Representante, deixando esposa (Conselheira Maria Isabel Rodrigues da Silva) e filhos e o sentimento de saudade naqueles que com ele puderam conviver.

Nossa homenagem em honra a esse batalhador que travou o bom combate, enfrentou inúmeras dificuldades e sagrou-se vitorioso, marcando sua existência neste plano.

* Teodoro Irigaray é integrante do Quadro de Mestres da UDV e membro do Conselho de Administração Geral (CONAGE). Em 6 de janeiro de 2018, assumirá o cargo de Mestre Assistente Geral.

12 respostas
  1. André Luiz Lobo da Rocha
    André Luiz Lobo da Rocha says:

    Essa justa homenagem ao M. Manoel Nogueira, nesse momento que aproximase o dia 6 de janeiro, onde valorosos irmãos receberão a importante Missão de Conduzir a União.
    É encorajador os bons exemplos de simplicidade e fraternidade humana contidas no M. Manoel. Nos proporciona ter mais Fé e Coragem pra cumprir a Missão.

    Responder
    • Maria Sheridan Soares Bastos
      Maria Sheridan Soares Bastos says:

      Não conheci em pessoa Mestre Manoel Nogueira; mas seus ensinamentos sim. Percebo que a clareza e a sinceridade, ditas com carinho e respeito pelo outro, são bálsamos benéficos para evolução do espírito humano. Minha apreciação ao texto.

      Responder
  2. anselmo S nery
    anselmo S nery says:

    Estou impressionado com a história desse cidadão brasileiro. História que me enche de entusiasmo e que me anima para cada vez mais trabalhar por esta Sagrada Obra. Que Deus o abençoe onde quer que esteja.

    Responder
  3. Luiz Carlos de Almeida
    Luiz Carlos de Almeida says:

    É bom saber de um exemplo assim, que nos entusiasma ainda mais, em seguir fime nesse nosso trabalho de luz, de paz e de amor!
    Gratidão ao Mestre Manoel Nogueira!!!

    Responder
  4. Lucas
    Lucas says:

    Saudações,
    Salvo engano, ouvi do mestre Zé Luiz que mestre Manoel Nogueira teria recebido o título de mestre pela Justiça porque chamou a justiça do vegetal. abs

    RESPOSTA: Caro Lucas, Mestre Manoel Nogueira recebeu o título de Mestre pela Memória, conforme está no texto publicado no Blog. O próprio Mestre Zé Luiz hoje explica assim.

    Responder
  5. Luiz Guilherme Nascimento
    Luiz Guilherme Nascimento says:

    Conheci M. Manoel Nogueira quando Mestre Central da 5ª região que na época era, GO, MG, ES, RJ e Brasília. Homem de grande sabedoria e firmeza nas palavras. Na região era conhecido por “Vento Norte” onde chegava marcava presença, deixou saudades.

    Responder
    • vanda souza
      vanda souza says:

      Verdade. E sempre que ele ia com a missão de corrigir o que estava precisando, doutrinava e na conclusão ele colocava a música Vento Norte e aja peia na nossa memória.

      Responder
  6. Renato Barbosa
    Renato Barbosa says:

    Boas lembranças do Mestre Manoel Nogueira! Doutrinava e orientava com amor! Uma justa homenagem a um desses primeiros discípulos e Mestres fundadores do Centro !

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *