A história de Giovanni, autor do texto Mistérios do Vegetal

Jairo dos Santos*

| 4 janeiro 2018

Mestre Gabriel preparando o Vegetal na olaria (Porto Velho – RO) Foto: Cícero Alexandre Lopes.

Em toda Sessão de Escala do Centro Espírita Beneficente União do Vegetal (que acontece sempre nos primeiros e terceiros sábados de cada mês), é feita a leitura de um conjunto de documentos, logo após a distribuição do Chá Hoasca aos sócios. Entre esses documentos, que regem o funcionamento do Centro, encontra-se um texto, intitulado Mistérios do Vegetal, que se destaca dos outros pela sua composição poética, em forma de acróstico.

Esse texto, justamente o que conclui a sequência da leitura dos documentos, traz consigo uma história interessante ligada ao seu surgimento, no ano de 1968. Seu autor, Giovanni Nunes da Silva, bebeu o Chá Hoasca poucas vezes com Mestre Gabriel, mas deixou uma importante contribuição para a União do Vegetal.

Até recentemente, pouco se conhecia a respeito da história desse senhor. Sabia-se apenas que ele era baiano do município de Jacobina, e que havia saído de sua cidade de origem por conta do sumiço de um dinheiro, um acontecimento sobre o qual não se tinha maiores detalhes. Segundo conta o Mestre Raimundo Monteiro de Souza, Giovanni chegou a Porto Velho motivado por uma reportagem que ele leu a respeito do Mestre Gabriel, a bordo de um avião.

A ausência de informações mais precisas incentivou-me a iniciar uma pesquisa para conhecer mais sobre esse personagem. Com os dados que eu tinha em mãos, consegui localizar em Salvador dois de seus filhos, Giovanilza e Gutemberg. Graças a eles, pude entender um pouco mais da história do autor dos Mistérios do Vegetal.

A saída de Jacobina

Giovanni era coletor de impostos da Secretaria da Fazenda do Governo da Bahia, no município de Jacobina. Respeitado por todos na cidade, ele cultivava a arte de escrever e recitar poesias, e por isso mesmo era o orador oficial do clube Aurora Jacobinense. Era casado com Nilza Ferreira Nunes e tinha com ela duas filhas: Miriam (já falecida) e Giovanilza. Fora do casamento, tinha mais três filhos, dos quais o único ainda vivo é o Gutemberg.

Naquele ano de 1968, eram poucas as cidades que tinham agências bancárias, e isto fazia com que Giovanni às vezes carregasse consigo uma alta soma de dinheiro, resultado da coleta da semana. No dia 28 de junho, véspera da tradicional festa de São Pedro (que é comemorada em todo o Nordeste), Giovanni resolveu, antes de chegar em casa, tomar umas cervejas em um botequim. Trazia consigo a maleta com os talões da coletoria, e todo o dinheiro arrecadado dos últimos dias de trabalho. Já alcoolizado, saiu do botequim sem perceber o desaparecimento do dinheiro que estava na pasta; um total de CRN$ 8.500,00 (oito mil e quinhentos cruzeiros novos), o equivalente, na época, a 2.658 dólares.

Pela manhã, ao acordar, Giovanni percebeu o que tinha acontecido, e muito preocupado disse a sua mulher: “Sumiu todo o dinheiro que estava dentro da pasta, a coleta dos últimos dias, e amanhã estará chegando à cidade o inspetor da repartição. Estou correndo risco de ser preso”.

Diante da situação, ele resolveu sair por um tempo de Jacobina. Após conseguir algum dinheiro para deixar com a mulher, a quem não tinha contado que pretendia viajar, Giovanni escreveu uma carta para ser enviada à filha Miriam, entregou a Giovanilza para colocar nos correios, e disse a ela:

“Estou sofrendo muito em ter que me separar de vocês, mas não posso ser preso. Depois que eu partir, você conta tudo a sua mãe. Diz a ela que logo eu entro em contato. Vou visitar sua tia Olga, minha irmã, no Rio de Janeiro, e depois sua tia Nita, irmã de sua mãe, em Goiânia. Quando tudo se acalmar, eu verei o que fazer.”

Pensava ele que, durante a viagem, encontraria um jeito de provar sua inocência. Achava que, se fosse preso, seria muito difícil ser inocentado. Pretendia também encontrar uma forma de chegar a Miami, nos Estados Unidos, onde sua filha Miriam estava residindo e estudando.

Giovanni com as filhas Miriam (E) e Giovanilza | Acervo da família

A leitura da reportagem 

De acordo com o relato de sua filha, Giovanni iniciou a viagem com a decisão de visitar a irmã dele, Olga, que morava no Rio de Janeiro. E depois ir para Goiânia, onde morava a cunhada Nita, irmã da sua mulher. Ele foi para o Rio de Janeiro de carona em caminhões de carga. Portanto, o mais provável é que a leitura da reportagem a respeito do Mestre Gabriel tenha acontecido, ou na viagem do Rio de Janeiro para Goiânia, ou de Goiânia para Porto Velho, pois essas duas viagens foram feitas em aviões da Força Aérea Brasileira. Segundo Giovanilza, o pai contou-lhe que se inscreveu para viajar de graça pela FAB. E, conforme explica o Mestre Monteiro, foi justamente à bordo de um avião que Giovanni leu a reportagem a respeito do Mestre Gabriel.

Pelo período dos acontecimentos, tudo indica que essa reportagem foi aquela publicada no jornal o Estado de São Paulo, no dia 29 de agosto de 1968, intitulada “Na selva, um místico vende o sonho”, que fala sobre o surgimento de uma nova religião naquela região da Amazônia, conduzida por um baiano de nome José Gabriel da Costa. A reportagem trazia fotos da moradia humilde do Mestre Gabriel e de sua família em Porto Velho.

A chegada à casa do Mestre

Não existe registro da data em que Giovanni chegou à casa do Mestre Gabriel, mas é possível assegurar que foi no início de setembro de 1968. Um pouco antes da chegada dele, o Mestre anunciou aos seus discípulos que uma pessoa importante estava para chegar.

De acordo com alguns desses primeiros discípulos, Giovanni ficou pouco tempo em Porto Velho, mas bebeu Vegetal algumas vezes em Sessões com a presença do Mestre Gabriel. Depois, ele foi para Manaus, onde trabalhou na empresa dos mestres Florêncio e Geraldo Carvalho.

Ainda em Porto Velho, registrou-se na Inspetoria de Rendas Internas do Ministério da Fazenda, e no dia 18 setembro de 1968 recebeu o Certificado de Registro de Garimpeiro com autorização para garimpar no Rio Candeias.

Registro de garimpeiro de Giovanni, datado de 18/09/1968 | Acervo da família

Os Mistérios do Vegetal

Segundo os depoimentos dos Mestres fundadores do Centro, foi durante um Preparo, na antiga olaria do Mestre Gabriel, que Giovanni escreveu o documento. No local, tinha um igarapé, e na margem, uma palmeira. Após o Mestre distribuir o Vegetal, o Giovanni pediu licença para ir ao igarapé. Ele estava com uma caneta esferográfica e um papel no bolso. Chegando à beira do igarapé, ele sentou encostando-se na palmeira, ficando lá concentrado. Foi então que começou a escrever os Mistérios do Vegetal.

Depois que escreveu os três primeiros versos, trouxe e mostrou ao Mestre Gabriel que os leu e disse: “ainda está faltando, pode esperar que vem”. Ele então dirigiu-se para o final do barracão da olaria, onde escreveu o último verso. O Mestre Gabriel olhou e disse: “agora sim”. O Mestre então entregou o manuscrito ao Mestre Monteiro e o mandou datilografar.

Volta à Bahia

No final do ano de 1968, Giovanni retornou a Jacobina e retomou sua vida. O processo do sumiço do dinheiro foi arquivado pelo Governo do Estado. Embora ele não tenha recuperado o emprego, isso evitou que fosse preso. Dedicou-se ao estudo, formando-se em técnico de administração, e instalou um escritório para atender o comércio da cidade. Faleceu em 23 de março de 1977, acometido por um infarto do miocárdio.

Após beber o Vegetal com Mestre Gabriel, Giovanni praticamente aboliu o uso de bebida alcoólica. Sua morte não teve absolutamente nenhuma ligação com o consumo de álcool. Aconteceu por uma doença cardíaca que o acometera, provavelmente, segundo sua filha, pela grande tristeza provocada pelos sofrimentos que passara.

O funeral dele foi uma espécie de feriado no município de Jacobina. As escolas paralisaram suas aulas e o comércio fechou as portas para que a população pudesse comparecer e dar adeus aquele homem tão querido da comunidade.

Depoimento do Mestre Antônio Gabriel

No ano de 1971, quando esteve visitando sua família, Mestre Gabriel teve o seguinte diálogo com seu irmão Antônio Gabriel:

MG: “Antônio, Jacobina fica muito longe daqui?

MA: “Umas duas horas, uns duzentos quilômetros. Por quê”?

MG: “É que tenho um amigo que é de lá, o Giovanni, você conhece?”;

MA: “Conheço sim, é meu amigo também, já tomamos umas cervejas juntos, ele puxa de uma perna, conheço.”

MG: “Ele passou por um grande sofrimento. Deus e eu sabemos que ele é inocente, não roubou o dinheiro que dizem que ele roubou”.

Mestre Antônio contou que o Mestre Gabriel não foi a Jacobina porque já tinha feito compromisso de estar em Manaus no dia 25, e em Porto Velho no dia 27 de março.

*Jairo dos Santos é integrante do Quadro de Mestres do Núcleo Vento Divino (Lauro de Freitas – Bahia).

39 respostas
    • Carlos Sônio
      Carlos Sônio says:

      Incrivel como esse relato me conduziu pelo tempo, busquei assimilar o tempo e espaço de uma forma que me senti parte dela.
      Abraço ao autor e Deus lhe conceda sempre boa saude fisica e mental.

      Responder
  1. Radier Sousa
    Radier Sousa says:

    Que bom começar o ano novo com um texto tão rico e bonito! Grato ao M. Jairo e a todas as pessoas envolvidas nessa pesquisa sobre este senhor que deu uma importante contribuição a todos nós caianinhos! Forte abraço!

    Responder
  2. Rodrigo Polignano
    Rodrigo Polignano says:

    Bom dia. Excelente contribuição! Grato pela pesquisa e por esse trabalho de resgatar esses acontecimentos.
    Um belo presente pra esse Dia de Reis que se aproxima.

    Responder
  3. KENNEDER LOPES DA SILVA
    KENNEDER LOPES DA SILVA says:

    Gratidão ao Mensageiro de Deus, Mestre Gabriel, por mandar à terra irmãos, amigos, pessoas iluminadas dotadas de dedicação, inspiração em nos trazer tão valiosos relatos. Também à Sede Geral pelo brilhantismo de seu trabalho em prol de nós Caianinho. Recebam meu carinho e Eterna GRATIDÃO.

    Responder
  4. Renata Maia
    Renata Maia says:

    Muito bom conhecer mais um pouco sobre como surgiu essa parte dos documentos. E de ver a grandeza do Mestre, mostrando que é conhecedor dos acontecimentos que envolvem a UDV. Parabéns ao M. Jairo pelo empenho em nos trazer mais esclarecimentos sobre esse homem e essa história dos Mistérios do Vegetal.

    Responder
  5. Reinofy Duarte
    Reinofy Duarte says:

    Parabéns pela pesquisa. Uma narrativa interessante.

    Sobre o detalhe da data de chegada de Giovanni a Porto Velho, pode-se investigar nos registros das FAB, pois todos os deslocamentos eram feitos mediante solicitação e agendamento. Talvez não seja nada que mude especialmente a história, mas para termos mais riqueza de detalhes.

    Abraço

    Responder
  6. Jean Bonazoni
    Jean Bonazoni says:

    Belo texto!
    Há muito tempo quero saber mais detalhes da história desse importante discípulo. Muito grato ao trabalho de pesquisa realizado e ora ofertado a todos nós.

    Responder
  7. Miguel Salum
    Miguel Salum says:

    Que alegria saber mais desta importante pessoa que deu uma grande contribuição para a UDV. Grato M. Jairo!

    Miguel Salum, Núcleo Grande Esperança
    Griswold CT USA

    Responder
    • Jairo dos Santos
      Jairo dos Santos says:

      Luciana, nós é que temos uma eterna gratidão ao seu avô Giovanni pela presença junto ao Mestre Gabriel que deu origem ao texto “Mistérios do Vegetal”. Minha gratidão a D. Giovanilza, sua mãe, e ao seu tio Gutemberg, que foram generosos ofertando a nós da UDV a narrativa comovente da vida de um Ser Humano singular como foi o seu Avô. Grato.

      Responder
  8. Daniel Soares
    Daniel Soares says:

    A data que Mestre Gabriel chegou em Manaus, e dirigiu uma sessão, em que reconduziu o M. Cruzeiro, como M. Florêncio, foi 25/03/1971.

    Resposta: Caro Daniel, somos gratos pela sua observação. A informação foi corrigida no texto.

    Responder
  9. Suely Maia Forte.
    Suely Maia Forte. says:

    Parabéns, Mestre Jairo. Que linda garimpada. Eu mesma tinha muita vontade de saber um pouco da história do Giovanni. Para nós hoasqueiro, é uma informação valiosa. Aproveito para informar que esta pessoa da foto não indentificada se chamava Braulino, cunhado das professoras Francisca e Leonora. Era disciplo do Mestre Gabriel.

    Responder
  10. Antonio Roazzi
    Antonio Roazzi says:

    Texto histórico bem interessante.
    Solicito um esclarecimento: no texto do artigo informa-se que o nome é Giovanni (João em Italiano), entretanto no Certificado de Matricula de Garimpeiro consta o nome GEOVANI NUNES DASILVA.
    Visto que o certificado é um documento oficial que tem se baseado na Carteira de Identidade surge uma dúvida sobre o nome correto.
    Se o M. Jairo puder esclarecer a origem no artigo do nome Giovanni diferente do nome que consta no Certificado fico grato.

    RESPOSTA: Caro Antonio Roazzi, segundo pesquisa, o nome no Certificado de Garimpeiro está escrito errado. O correto é Giovanni (com dois N).

    Responder
  11. Clayton de Jesus sacramento Gomes
    Clayton de Jesus sacramento Gomes says:

    Gratidão ao senhor que fez a pesquisa.
    Muito importante saber que essa pessoa tão presente na história da UDV, se encontrou com o Mestre e também se transformou.
    Gratidão pela publicação.

    Responder
  12. Samir Dias Entorno
    Samir Dias Entorno says:

    Grato Mestre Jairo por esta pesquisa que auxilia a nós todos sabermos um pouco mais de nossas origens. E todos aqueles que contribuíram para esta divulgação histórica. Aproveitei e entrei no site do Jornal e achei a reportagem: /Users/samir/Desktop/19680829-28646-nac-0076-999-76-not.jpg

    Obs: Mestre Rodrigo Polignano, se o Sr. tiver uma pessoa ou o Sr. que possa obter uma cópia mais legível desta reportagem no jornal, sou grato.
    E grato mais uma vez a todos à aqueles que vem cumprindo as responsabilidades recebidas no triênio 2015 a 2018 e a Todos que auxiliaram e Feliz Ano Novo com saúde, progresso e alegria à Toda a Irmandade do CEBUDV.
    Salve o Dia de Reis (6 de Janeiro) e à Todos que vem receber mais responsabilidades na caminhada no CEBUDV no triênio 2018 a 2021.

    Samir Dias Santos Entorno
    CI do Núcleo União das Barquinhas (Porto Velho/RO)

    RESPOSTA: Caro Samir, o link está incorreto. Mande novamente e encaminharemos ao M. Rodrigo.

    Responder
  13. alba terezinha
    alba terezinha says:

    Profunda gratidão ao Mestre Gabriel, ao Sr Giovanni e ao Sr Jairo, pelo resgate dessa importante história, origem do poético e rico texto “Mistérios do Vegetal”!
    Viva

    Responder
  14. Firmo Rodrigues
    Firmo Rodrigues says:

    Que depoimento esclarecedor! M. Braga já tinha falado sobre o Giovanni, porém não com esses detalhes. M. Jairo nos presenteou com esse belo trabalho, esclarecendo de forma clara e objetiva. Parabéns!!

    Responder
  15. Almir Nahas
    Almir Nahas says:

    Gratidão ao Mestre Jairo pelo trabalho de pesquisa que enriquece o conhecimento a respeito da história da origem da UDV. É um incentivo para que mais pessoas se dediquem a pesquisar e registrar a história do Centro! Parabéns!

    Responder
  16. Leonardo Tocchetto Pauperio
    Leonardo Tocchetto Pauperio says:

    Gostei muito da pesquisa! Trouxe informações interessantes a respeito do Giovanni. Grato ao M Jairo por nos proporcionar este relato.

    Responder
  17. Lita Passos
    Lita Passos says:

    Como é bom estudar, pesquisar e aumentar o conhecimento a respeito da história do Mestre Gabriel e da Hoasca.
    Gratidão aos irmãos e pessoas que buscaram tão valiosas informações.

    Responder
  18. Renato Barbosa
    Renato Barbosa says:

    Parabéns ao Mestre Jairo por esse excelente trabalho de pesquisa! Esclarecendo, enriquecendo e inteirando alguns acontecimentos relevantes da vida deste importante e misterioso Giovanni.

    Gratidão!

    Responder
  19. Edson Sousa
    Edson Sousa says:

    Que Boa reportagem pulblicada do Mestre Jairo dos Santos, nos trazendo mais esclarecimentos deste assunto dos Mistérios do Vegetal.
    Grato pelas pesquisas e esclarecimentos.

    Édson Sousa
    QM NTiuaco – Manaus/ Am.

    Responder
  20. Andréa Fróes
    Andréa Fróes says:

    Gratidão, Mestre Jairo, pela pesquisa e publicação! Sinto grande alegria de conhecer a vida do Mestre Gabriel e todas a experiências que ela revela e ensina pra nós. Um terno abraço!

    Responder
  21. Marcus Levy
    Marcus Levy says:

    Bons esclarecimentos e novos relatos a respeito desse senhor q teve uma passagem breve pela União, mas deixou um tesouro pra nós. Parabéns a todos que fizeram essa pesquisa acontecer.

    Responder
  22. José Roberto Azambuja
    José Roberto Azambuja says:

    Grato, M. Jairo, por sua dedicação na pesquisa e investigação histórica em relação a este assunto, tão importante pra todos nós. Eu já conhecia em parte este trabalho, e fico feliz por sua apresentação ao público em geral, em especial, aos sócios do CEBUDV. Estou encaminhando ao seu email pessoal algumas informações. Por favor, veja lá! Um abraço e mais uma vez, parabéns!!

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *