A União do Vegetal e a missão
espiritual do Mestre Gabriel


Os primeiros anos. Mestre Gabriel de braços abertos aos seus discípulos.

O uso ritualístico do chá Hoasca entre os povos amazônicos remota aos períodos anteriores ao descobrimento da América, no século XVI. Durante séculos, este chá, sagrado para os seus usuários, foi comungado pelos povos da floresta sem ritual específico ou mesmo uma doutrina espiritual comum.

Somente em 22 de julho de 1961, a União do Vegetal foi recriada, ainda nos seringais da Amazônia próximos da fronteira do Brasil com a Bolívia, no estado do Acre, por um homem de nome José Gabriel da Costa, nascido no município de Coração de Maria, no estado da Bahia, no dia 10 de fevereiro de 1922.

José Gabriel chegou à Amazônia alistado entre os soldados da borracha, como eram chamados os homens simples que, saídos em sua maioria das regiões do semi-árido do Nordeste brasileiro, foram para aquela região trabalhar na colheita do látex da Seringa, matéria-prima para a produção de borracha.

Teve seu primeiro contato com o chá Hoasca através de um senhor conhecido como Chico Lourenço, um “mestre da curiosidade”, como foram denominados aqueles que distribuíam o chá entre as pessoas e orientavam os variados rituais de comunhão do mesmo.

Ao comungar o Vegetal, como passou a chamar de maneira corrente o chá, O Mestre Gabriel, reconhecendo a sua missão espiritual, deu início ele mesmo à distribuição da Hoasca, inicialmente de maneira informal, tendo, enfim, recriado a União do Vegetal no dia 22 de julho de 1961, data consagrada no seio desta sociedade religiosa como a de sua fundação.

Utilizando a Hoasca como veículo de concentração mental, Mestre Gabriel reunia regulamente os primeiros seguidores, instaurando a tradição da transmissão oral de sua doutrina espiritual, voltada para o amor ao próximo e a prática fiel do Bem, de acordo com os princípios da evolução reencarnacionista e em comunhão com os ensinamentos do Divino Mestre Jesus, a quem sempre prestou reverência e dedicou, em sua prática por toda a vida, uma firme fidelidade.

No dia 31 de dezembro de 1964, Mestre Gabriel retornou para Porto Velho, território de Rondônia, com sua esposa, dona Pequenina, e toda a sua família em busca de melhores condições de desenvolver as atividades religiosas da sociedade que recriara.

Passou, inicialmente, a distribuir o Vegetal em diversos locais até fixar sua própria residência, na Rua Abunã, nº 1215, como a sede provisória da União do Vegetal. Montou uma olaria e adquiriu o meio de vida ao necessário sustento de sua família, dedicando-se com determinação e amor à orientação espiritual dos seus primeiros discípulos.

Nesta época, Mestre Gabriel já se fazia acompanhar de alguns discípulos que viriam depois a constituir-se nos mestres responsáveis pela expansão de sua doutrina por todo o país, como sua própria esposa, Mestre Pequenina, e o seus filhos, como o mestre Jair, ambos, membros atuais do Conselho da Recordação dos Ensinamentos do Mestre Gabriel – órgão responsável pela preservação do legado doutrinário dele.

No início, a UDV não tinha registro oficial. A polícia chegou a prender o Mestre da União, indevidamente, o que ocasionou o registro da Associação Beneficente União do Vegetal e a publicação, no jornal Alto Madeira, da “Convicção do Mestre”, uma defesa pública dos princípios e objetivos da UDV.

Tendo suas atividades temporariamente suspensas no início dos anos 70 pela Divisão de Segurança e Guarda do Território do Guaporé, a UDV impetrou um mandado de segurança, quando se passou a denominar definitivamente esta instituição como Centro Espírita Beneficente União do Vegetal. 

Em 1968, o Mestre pediu aos seus discípulos um esforço comum no sentido de adquirir um terreno naquela cidade, Porto Velho, para que ali se construísse o primeiro templo da UDV, onde está hoje situado o Núcleo Mestre Gabriel, Sede Histórica da União do Vegetal. 

No ano anterior, em 29 de julho de 1967, já fora oficializada a primeira distribuição fora daquele território, em Manaus, sob a responsabilidade do mestre Cruzeiro (Florêncio Siqueira de Carvalho), onde surgiria a seguir, em 11 de setembro de 1971, o Núcleo Caupuri, em boa parte responsável pela expansão da UDV por diversas regiões do país.

Mestre Gabriel desencarnou antes de ver concluído o primeiro templo da religião que criara. Cumprida sua missão divina – com a UDV registrada e os primeiros núcleos iniciados, com um Quadro de Mestres e um Corpo do Conselho preparados para transmitir sua doutrina – veio a fazer sua passagem no dia 24 de setembro de 1971, em Brasília. 

Somente no final de outubro de 1982, entre os dias 30 e 31, foi decidida pela Administração Geral a transferência da Sede Geral da UDV, de Porto Velho para Brasília, visando melhor atender às necessidades impostas pelo desenvolvimento institucional do Centro.

Firme retidão moral, elevado conhecimento espiritual, notável capacidade de doação para compreender e orientar seus discípulos em busca da verdadeira transformação fazem do Mestre Gabriel um ser amado no seio da União do Vegetal, sendo a sua prática de vida e as suas palavras de justiça e bondade fonte permanente de força e inspiração para todos aqueles que procuram seguir os seus passos em um caminho de Luz, Paz e Amor.



Origem da UDV
Templo do Núcleo Coração de Maria no mesmo local da casa onde nasceu o Mestre Gabriel.
Obras do primeiro templo no Núcleo Mestre Gabriel, hoje a Sede Histórica da União do Vegetal.
Mestre Pequenina, esposa do Mestre Gabriel, que com ele deu início à União do Vegetal.








SBN Quadra 02 Bloco H Edifício Central Brasília Sala 1003/1005 Brasília-DF, Brasil - CEP 70040-904

Blog da UDV